ESPORTE-EDUCAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA ELEVAR AS PERCEPÇÕES DE COMPETÊNCIA, INCLUSÃO E INTEGRAÇÃO DE CRIANÇAS NOS DIFERENTES AMBIENTES ESPORTIVOS ESCOLARES

Daniel Andrade Geraldi, Edgar Zanini Timm, Norberto Da Cunha Garin

Resumo


O presente artigo é proveniente das inquietações do autor, em relação às práticas cotidianas observadas nos diferentes espaços esportivos escolares. O autor estrutura e propõe um modelo de Esporte-Educação constituído de referenciais humanizantes e de sua experiência profissional de vinte cinco anos com iniciação esportiva. Este modelo de Esporte-Educação foi aplicado em uma turma do quarto ano de um colégio particular, na cidade de Porto Alegre, RS, objetivando verificar se ele seria capaz de qualificar as percepções de inclusão, integração e competência dos alunos. Foi realizada uma pesquisa com dados quantitativos e qualitativos. As análises dos instrumentos investigativos evidenciaram uma elevação positiva nas percepções de integração e competência dos alunos, entretanto, em relação à dimensão inclusão, evidenciou-se uma variabilidade na eficácia do modelo. A conclusão da pesquisa reconheceu que o modelo apresentou-se como uma possível estratégia pedagógica eficiente para qualificar diferentes dimensões do desenvolvimento infantil, nos diferentes espaços esportivos escolares.


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Editora, 2006.

BAYER, C. La enseñanza de los juegos deportivos colectivos: baloncesto, fútbol, balonmano, hockey sobre hierba y sobre hielo, rugby, balonvolea, waterpolo. 2. ed. Barcelona: Hispano America, 1992.

BEAUCHAMP, T.; CHILDRESS, J. Princípios de ética biomédica. São Paulo: Loyola, 2002.

BECKER JÚNIOR, B.; TELÖKEN, E. A criança no esporte. In: MACHADO, A. (Org). Especialização esportiva precoce: perspectivas atuais da psicologia do esporte. Jundiaí, SP: Fontoura, 2008. p. 17-34.

BENTO, J. A criança no treino e desporto de rendimento. Revista Kinesis, Santa Maria, v. 5, n. 1, p. 9-35, 1989.

BRACHT, V. Educação física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister, 1992.

BRACHT, V. Esporte de rendimento na escola. In: STIGGER, M.; LOVISOLO, H. (Orgs). Esporte de rendimento e esporte na escola. Campinas, SP: Autores Associados, 2009. p. 11-26.

CARRERAS, L. et al. Como educar integrando valores: materiais, textos, recursos e técnicas. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

CARVALHO, R. Educação inclusiva: com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Mediação, 2010.

DALLARI, D. Bioética e direitos humanos. In: COSTA, S., OSELKA, G., GARRAFA, V. Iniciação à bioética. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1998. P. 231-241.

DAÓLIO, J. Jogos esportivos coletivos: dos princípios operacionais aos gestos técnicos – modelo pendular a partir das ideias de Claude Bayer. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 4, n. 10, p. 99-104, 2002.

FERRAZ, F. A eternidade da maça. São Paulo: Escuta Editora, 1994.

FREIRE, J. B. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física. São Paulo: Scipione, 2002.

FREIRE, M. O que é um grupo? In: FREIRE, Madalena (Org). Grupo: indivíduo, saber e parceria: malhas do conhecimento. São Paulo: Espaço Pedagógico, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FREITAG, M. Os itinerários de Antígona. 3. ed. São Paulo: Papirus, 2002.

GARGANTA, J. Para uma teoria dos jogos desportivoscolectivos. In: GRAÇA, A. & OLIVEIRA, J. (orgs.). O ensino dos jogos desportivos: FCDEF-UP: Centro de Estudos

dos Jogos Desportivos, p. 11-25, 1994.

GERALDI, D. A. Esporte-Educação como estratégia para elevar as percepções de competência, inclusão e integração de crianças nos diferentes ambientes esportivos escolares. 2016. 247 f. Dissertação (Mestrado) – Centro Universitário Metodista – IPA, Porto Alegre, 2016.

GOMES, R. A iniciação e formação desportiva e o desenvolvimento psicológico de crianças e jovens. In: MACHADO, A.; GOMES, R. (Org.). Psicologia do esporte: da escola à competição. Várzea Paulista, SP: Fontoura, 2011. p. 19-43.

GRECO, P. J. Iniciação Esportiva Universal: Volume 2. Belo Horizonte: Editora Universitária – UFMG, 1998.

KUNZ, E. Educação Física: ensino e mudanças. Ijuí: UNIJUÍ Ed., 2006.

LEONARDI, T., GALATTI, L., PAES, R. Pedagogia do esporte: o processo de ensino, vivência e aprendizagem dos jogos esportivos coletivos e sua relação com a formação integral do indivíduo. [S.I.]: Alto Rendimento, 2006. Disponível em:. Acesso em: 05 maio 2015.

LIBONI, M.; PROTA, L. Saúde mental como condição básica da estruturação ética do ser humano. Revista Bioética, Brasília, v. 17, n. 2, p. 237-249, 2009.

MOSQUERA, J. et al. Universidade: auto-imagem, auto-estima e auto-realização. UNIrevista: São Leopoldo, v. 1, nº 2, p. 1-13, abril, 2006.

OLIVEIRA, B., COLLET, N., VIEIRA, C. A humanização na assistência à saúde. Revista Latino-americana de Enfermagem, São Paulo, v. 14, p. 277-84, março/abril, 2006.

PAES, R. Pedagogia do esporte e o jogo: considerações acerca do processo de ensino-vivência-aprendizagem socioesportiva. Revista E, n. 12, p. 39-41, 2008.

PILETTI, N.; ROSSATO, S.; ROSSATO, G. Psicologia do desenvolvimento. São Paulo: Contexto, 2014.

ROBERTS, G. C.; TREASURE, D. C., Motivacional determinants of achievement of children is sport. Revista da Psicologia del Desporte, v. 7, p. 123-134, 8 nov. 1995.

SANTIN, S. Educação física da alegria do lúdico à opressão do rendimento. Porto Alegre: Edições EST, 1994.

SANTIN, S. Esporte Educacional: esporte na escola e esporte da escola. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, 26, 2007, Pelotas. Anais...Pelotas: Educação Física, 2007. 265 p. 254-265.

SCAGLIA, A. O futebol que se aprende e o futebol que se ensina. 1999. 242 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

SEGRE, M.; COHEN, C. Bioética. São Paulo: Edusp, 1999.

SILVA, C. A.; MUÑOZ, M. Diversidade na educação, respeito e inclusão: valores éticos e comportamentos pró-sociais. Porto Alegre: EDIPUCRS, Editora Universitária Metodista IPA, 2012.

SMITH, R., SMOLL, F. O Esporte juvenil como ambiente para as intervenções psicossociais. In: RAALTE, Judy, BREWER, Britton. Psicologia do esporte. São Paulo: Santos, 2011. p. 341-371.

STIGGER, M. P. Relações entre o esporte de rendimento e o esporte da escola. In: STIGGER, M. P. & LOVISOLO, H. (orgs). Esporte de rendimento e esporte na escola. Campinas, SP: Autores Associados, 2009. p. 103-134.

TESSARI, O. I. Por que fazer parte de um grupo é tão importante? Ajuda emocional, 2015. Disponível em: Acesso em: 05 maio 2015.

VARGAS, A. Esporte e realidade: conflitos contemporâneos. Rio de Janeiro: Shape, 2006.

WILLIAMS, J., LEFFINGWELL, T. Métodos e técnicas cognitivas na psicologia do esporte. In: RAALTE, Judy, BREWER, Britton. Psicologia do esporte. São Paulo: Santos, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.