ESPAÇOS DE LAZER E UTILIZAÇÃO EM INDÚSTRIAS DE MÉDIO E GRANDE PORTE REGIÃO CAMPOS GERAIS QUE POSSUEM CONTRATO DE TRABALHO COM O SESI PONTA GROSSA.

Kélin Gerusa Peters Franco

Resumo


Resumo: Pesquisa feita com as indústrias de médio e grande porte que possuem contrato de trabalho com o SESI Ponta Grossa. Pesquisa quantitativa, exploratória e descritiva realizada por meio de entrevista com vinte e uma indústrias de médio (dezessete) e grande (quatro) porte de diferentes ramos de atividades. Objetivando descobrir se existem espaços próprios de lazer para os colaboradores. E de que forma estão sendo utilizados. Resultados da pesquisa, dez indústrias relataram que possuem espaço próprio de lazer. Sendo três de grande porte. E onze relataram que não possuem espaço próprio de lazer. Cinco delas não proporcionam atividades de lazer, uma possui convênio com clube, cinco utilizam a estrutura do SESI ou pagam locação em outros ginásios de esporte. O esporte e o lazer são simplesmente um adendo do mundo do trabalho ou podem ser considerados como espaços de aprendizagem das relações sociais num contexto de transição.

Palavras-chave: Desenvolvimento Industrial, Desempenho Profissional, Prevenção, Presenteísmo, Lazer.

Texto completo:

PDF

Referências


ABQV – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE QUALIDADE DE VIDA. Importante sim, mas estratégico. São Paulo: ABQV, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2015.

BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983c.

GOMES, Christianne Luce e ISAYAMA, Hélder Ferreira, (Org.). O Direito social ao lazer no Brasil. Campinas, SP : Autores Associados, 2015. – (Coleção educação física e esportes).

DETONI, Dimas José. Estratégias de avaliação da qualidade de vida no trabalho: um estudos de caso em agroindústrias. Florianópolis, 2001, 138f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, UFSC, 2001.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5ed. São Paulo: Atlas,

GOETZEL, R. Z.; RONALD, J. O. The health and cost benefits of work site health-promotion programs. Annual Review of Public Health, v. 29, p. 303-323, 2008.

MELO, Victor Andrade. Cidade Sportiva. Rio de Janeiro, Relume-Dumará, 2001.

MELO, Victor Andrade. A Cidade, o Cidadão, o Lazer e a Animação Cultural.

In: FREITAS, Ricardo (org.). Comunicação, cidade e cultura. Rio de Janeiro,

MEZZADRI, F. M. (2006). Esporte e lazer: subsídios para o desenvolvimento e a gestão de políticas públicas. Várzea Paulista, Fontoura.

PARKER, Stanley. A sociologia do lazer. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

RICHARD, L.; GAUVIN, L.; RAINE, K. Ecological models revisited: their uses and evolution in health promotion over two decades. Annual Review of Public Health, v. 32, p. 307-326, 2011.

SANT’ANNA, Denise B. O prazer justificado; História e lazer – (São Paulo, 1969/1979). São Paulo: Marco Zero/MCT-CNPq, 1994.

SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA. Departamento Nacional. Modelo de Atuação SESI em Promoção da Saúde / Serviço Social da Indústria; Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial; Instituto Euvaldi Lodi. - Brasília : SESI, 2016.

WERNECK, Christianne Luce Gomes. Recreação e lazer: Apontamentos históricos no contexto da Educação Física. In: Werneck, Christianne Luce Gomes, Isayama, Hélder Ferreira (Orgs.). Lazer, recreação e educação física. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2003a.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.