POR QUE CAROLINA MARIA DE JESUS FOI DESPEJADA DA SOCIEDADE LITERÁRIA CULTURAL

Rosângela de Arruda Araújo, Fernanda Simoni Borges, Kathleen Caroline Laskos, Fabiane Terezinha Lima, Izabele Caroline R. Gomes

Resumo


Resumo:  O presente trabalho analisa a obra: “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus, sob o viés cultural, racial e social, na busca da ascensão emancipatória da identidade de sobrevivência no discurso literário. A metodologia da pesquisa baseou-se no paradigma qualitativo - comparativo acerca da construção da identidade na Pós modernidade, elencando pontos contraditórios como o essencialismo ou a identidade fixa.  Com base no referencial teórico em: Hall (1992), Silva (2016), Rey (2012), e Bosi (2015) serão mostrados os conceitos de literatura indenitária, cultural e a valorização do “ser humano” como reflexo dos processos centrais das sociedades modernas.

 

Palavras-chave: Gênero literário diário. Identidade. Cultura. 


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

BOSI. A. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 2015.

BURKE.P. O que é história cultural? tradução; Sérgio Góes de Paula, Rio de Janeiro; Zahar, 2005.

HALL. S. A identidade cultural na pós modernidade. - tradução; Tomas Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro DP&A. 1992.

JESUS. C.M. O quarto de despejo. Diário de uma favelada. São Paulo: Ática. 2007.

Marginal. Conceito. Disponível em Acesso em:22/09/17 as 17:42

REY. F. G. Pesquisa qualitativa e subjetividade. Os processos de construção da informação. São Paulo: Cengage Learning, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.