FOLHA BRANCA TINTA PRETA: O DIÁRIO BRANCO DE ALMA NEGRA

Josiane Chicora, Fernanda Marcovicz, Larissa Magnabosco de Oliveira de Carvalho, Tathie Cristine da Rosa, Izabele Caroline Rodrigues Gomes

Resumo


O presente trabalho está voltado para a escritora Carolina Maria de Jesus, mulher negra, moradora da favela do Canindé, Zona Norte de São Paulo, a qual trabalhava como catadora e registrava o cotidiano da comunidade em cadernos que encontrava no lixo. Ela é considerada uma das escritoras mais importantes do Brasil, apesar de toda discriminação sofrida por raça, cor, classe baixa e gênero. O intuito aqui é mostrar os motivos que levaram ao silenciamento desta escritora e de seu diário.

Texto completo:

PDF

Referências


JESUS, Carolina Maria de. Diário de Bitita. Ed. São Paulo: SESI-SP, 2014

PINHEIRO, João; BARBOSA, Sirlene. Carolina. Ed. São Paulo: Veneta, 2016

SANTOS, Joel Rufino dos. Carolina Maria de Jesus: uma escritora improvável. Ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2009

SILVA, Wilson Honório da. O mito da democracia racial: um debate marxista sobre raça, classe e identidade. Ed. São Paulo: Sundermann, 2016

SOUZA, Germana Henriques Pereira de. Carolina Maria de Jesus: o estranho diário da escritora vira lata. Ed. Vinhedo: Horizonte, 2012


Apontamentos

  • Não há apontamentos.