ECOPONTOS COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A COLETA SELETIVA EM PONTA GROSSA

Fábio Bello Silva, Leonardo Brustolin Milian, Dyego Emanuel Giebeluka Quadros

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo sugerir Ecopontos para a coleta seletiva de Ponta Grossa. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica com intuito de obter um embasamento teórico sobre os temas, coleta seletiva, educação ambiental e resíduos urbanos. A metodologia empregada foi o método indutivo para explicar o desenvolvimento do fenômeno observado. A classificação da pesquisa foi aplicada, quantitativa e exploratória tendo como procedimento o estudo de caso para propor Ecopontos para a coleta seletiva no município. Com isso, utilizou-se também a gestão de projeto como ferramenta de auxílio de desenvolvimento de um modelo. A legislação vigente dispõe sobre a responsabilidade do município e também as práticas relatadas no Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da cidade referente à disposição e manuseio dos rejeitos urbanos. Neste contexto, evidenciou-se que na cidade de Ponta Grossa existem quatro formas de coleta seletiva e que será de grande valia a implantação dos ecopontos, como fator de contribuição para o modelo e assim reduzir a destinação incorreta e assim aumentando os índices de reciclagem, tendo em vista, que com os ecopontos os resíduos chegam pré-separados nas associações de catadores.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Cidália et al. Estudo de Caso. MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO. INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA, Universidade do Minho, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 Abr 2016.

BRASIL. LEI 12.305 (2010). POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS; Disponível em: Acesso em: 02 de abril de 2016.

CÂMARA MUNICIPAL DE BORBA – ALENTEJO – PORTUGAL. Disponível em Acesso em: 21 set 2016.

CEMPRE. MANUAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DO LIXO MUNICIPAL. São Paulo: CEMPRE, 1995.

CERVO, Amado L. e BERVIAN, Pedro A. METODOLOGIA CIENTÍFICA. 2. ED. São Paulo: McGraw- Hill do Brasil, 1978. 144 p.

DAYCHOUM, M. GERÊNCIA DE PROJETOS: PROGRAMA DELEGACIA LEGAL. Rio de Janeiro: Brasport, 2005.

DONATO, Vitório. LOGÍSTICA VERDE – UMA ABORDAGEM SÓCIO-AMBIENTAL. Ed. Ciência Moderna. Rio de Janeiro, 2008.

BRASIL, PMI. Disponível em: Acesso em: 15 maio 2016.

GIL, Roberto. O QUE É E COMO FUNCIONA O GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Disponível em: Acesso em 29 maio 2016

GIL, Antônio Carlos. COMO ELABORAR PROJETOS DE PESQUISA. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HELDMAN, Kim. GERÊNCIA DE PROJETOS: GUIA PARA O EXAME OFICIAL DO PMI. – 6ª reimpressão - Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

JACOBI, P. R.; BESEN, G. R. GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - AVANÇOS E DESAFIOS. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.20, n.2, 2006.

JOLIVET, Régis. CURSO DE FILOSOFIA. 13. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1979.

Jornal Diário dos Campos. Disponível em: Acesso em: 12 set 2016.

KERZNER, Harold; tradução Marco Antônio Viana Borges, Marcelo Klippel e Gustavo Severo de Borba. GESTÃO DE PROJETOS: AS MELHORES PRÁTICAS. Porto Alegre: Bookman, 2002. 519 p.

MARCONI, Mariana Andrade; LAKATOS, Maria Eva. METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO. 6ª. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

MILIAN, Leonardo Brustolin; SILVA, Fábio Bello. Fotos tiradas na cidade de Ponta Grossa. 15 Jul 2016

NBR 8419: APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ATERROS SANITÁRIOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS. Rio de Janeiro, 2001.

OLIVEIRA, Maxwell Ferreira de. METODOLOGIA CIENTÍFICA: UM MANUAL PARA A REALIZAÇÃO DE PESQUISAS EM ADMINISTRAÇÃO / Maxwell Ferreira de Oliveira. -- Catalão: UFG, 2011. 72 p.: il.

PARANÁ (Estado). SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS. Kit Resíduos. Disponível em: Acesso em: 21 set 2016.

PMGIRS. PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA. Secretaria Municipal de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente. Ponta Grossa – PR, 2013.

PRADO, do Santos Darci. PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PROJETOS. Nova Lima: INDG, 2004. 284 p.

PMI. PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE, Inc. UM GUIA DO CONHECIMENTO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK®). 4ª ed. Newtown Square, Pennsylvania: PMI, 2009.

PRODANOV, C. C.; FERITAS, E. C. METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO [RECURSO ELETRÔNICO]: MÉTODOS E TÉCNICAS DA PESQUISA E DO TRABALHO ACADÊMICO. 2. Ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SANTIAGO, Fernando. CONSUMO SUSTENTÁVEL, LIXO E ENERGIA LIMPA. Disponível em: http://www.fernandosantiago.com.br/ma3.htm.> Acesso em: 01 de março de 2016.

SANTOS, João Miguel R. dos. COLETA SELETIVA DE LIXO: UMA ALTERNATIVA ECOLÓGICA NO MANEJO INTEGRADO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS. São Paulo: USP, 1995. (Dissertação, Mestrado).

SCARLATO, Francisco Capuano. POPULAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. In: ROSS, Jurandir Luciano Sanches (org.) Geografia do Brasil. 2ª Ed. São Paulo: Edusp, 1998, p. 384‐463.

SOPINAL – FÁBRICA DE EQUIPAMENTOS URBANOS E METALÚRGIA, LDA. Disponível em: Acesso em: 21 set 2016

SOTKON, Waste Systems. Disponível em: < http://www.sotkon.com/br/home> Acesso em: 25 out 2016.

SOUZA, Marcelo Lopes de. PROBLEMAS URBANOS E CONFLITOS SOCIAIS. In:____.ABC do desenvolvimento urbano. 4. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008. P. 81- 91.VALERIANO, Dalton L. GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO E ADMINISTRAÇÃO POR PROJETOS. São Paulo: Makron, 2001. 295 p.

VIANA Vargas, Ricardo. GERENCIAMENTO DE PROJETOS: ESTABELECENDO DIFERENCIAIS COMPETITIVOS. 7 ed. – RJ, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.