A REALIDADE DOS ALUNOS SURDOS INCLUSOS NOS ANOS INICIAIS

Juliana Beatriz Dimbarre, Rosanara Santos Hurko, Lucimara Glap

Resumo


Esse estudo aborda a importância da inclusão do aluno surdo nos anos iniciais do ensino fundamental nas escolas municipais da cidade de Ponta Grossa, e faz uma reflexão quanto à preparação pedagógica do professor ao receber um aluno surdo no contexto escolar do ensino regular, bem como a importância do planejamento como documento organizacional dos conteúdos e da determinação dos objetivos propostos a serem alcançados pelos alunos, ao fim de cada etapa bimestral, compondo o trabalho anual. O interesse pelo tema surgiu quando da realização do estágio supervisionado observou-se a dificuldade da comunicação entre o aluno surdo e o professor regente de classe. Evidenciou-se principalmente o momento de ensino dos conteúdos, ficando claro que o aluno surdo não tinha compreensão do que estava sendo tratado, mesmo em uma proposta de inclusão. Nesse ínterim, pesquisar mais sobre a importância do planejamento como condutor das ações pedagógicas dos educadores e sobre o processo de inclusão de alunos surdos, tornou-se o foco principal desta pesquisa.


Texto completo:

PDF

Referências


DIZEU. L.C.T.B, CAPORALI, S.A. A Língua de Sinais constituindo o surdo como sujeito. vol. 26, nº.91, p.583-597, Campinas, maio/ ago.2005.

DORZIAT,A. ARAÚJO, J.R. O Intérprete de Língua de Sinais no Contexto da Educação Inclusiva: O Pronunciado e o executado, v. 18, n. 3, p. 391-410, Marília, jul-set, 2012.

DOTA, F. P; ALVES, D. M. Uma análise histórica, REVISTA CIENTÍFICA

ELETÔNICA DE PSICOLOGIA ,Ano V, maio de 2007.

DOTA. F. P. ,ALVES. D.M. Educação Especial no Brasil: Uma análise histórica, ano V, nº 8, São Paulo, maio 2007.

GARCIA, R. M. C. Política para a Educação Especial e as Formas Organizativas do Trabalho Pedagógico, Rev.Bras.Ed.Esp, set-dez, 2006,v.12,n.3,p.299-316.

GOLDFELD, Márcia. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio interacionista. São Paulo: Plexus, 1997.

LACERDA. C. B. F. A inclusão de alunos surdos: O que dizem alunos,

professores e intérpretes sobre est5a experiência, vol.26, nº.69, p.163-184, Campinas,maio/ago.2006.

LACERDA. C. B. F.O intérprete educacional de língua de sinais no ensino

fundamental: Refletindo sobre limites e possibilidades, 2º edição. Mediação, Porto Alegre; 2003.

LODIL. A. C. B. Educação bilíngue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de Educação Especial e o Decreto nº 5.626/05 , vol39.nº1, São Paulo, jan/mar. 2013 .

LÜDKE, Menga e ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MACHADO, L.M.C.V, LOPES,M.C. Educação de surdos Políticas, Língua de

Sinais, Comunidade e Cultura Surda, 1º ed. P.182, Santa Cruz do Sul, 2010.

NOVAES EDMARCIUS, Surdos Educação, Direito e Cidadania, 1 ed. P.58,

ed.Wak,Rio de Janeiro,2010.

OMOTE, S.Perspectivas para conceituação de deficiência , Revista Brasileira de

Educação Especial. 1994.

SÁ, NÍDIA REGINA LIMEIRA DE. Cultura, Poder e Educação de Surdos. São

Paulo: Paulinas, (2009).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.