CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RUA: UMA REALIDADE SOCIAL

Elsa Rosalia Scarone, Analia Maria de Fátima Costa

Resumo


A presente pesquisa teve como objetivo analisar o trabalho social de acolhimento de crianças e adolescentes em situação de rua. O trabalho foi realizado através da pesquisa qualitativa, se utilizando de um questionário com 9 (nove) questões abertas e 2 (duas) fechadas, tendo como problemática: quais são as motivações que levam crianças e adolescentes a deixarem suas casas e viverem em situação de rua? A coleta de dados ocorreu em uma Casa de Passagem, na cidade de Ponta Grossa-Pr. Para aprofundamento do tema utilizou-se os seguintes autores e pesquisadores: Oliveira(2001); Brito (1999); Lucchini (1992); Santana (2003); Aptekar (1996); Rosemberg (1994), Benelli (2014); Graciani (2005); Leite(2001) Rizzini(2011), Westphal(2002), Brasil(2001), entre outros. Em relação aos dados analisados, verificou-se que mesmo tendo à disposição das crianças e adolescentes em situação de rua, a Casa de Passagem, poucos frequentadores fazem a opção em retornar para seu ambiente familiar, preferindo ficar morando na rua. Para os frequentadores que optam pela ressocialização, a entidade cumpre seu papel social encaminhando-os para programas de apoio em sistema de internato ou semi internato, os quais permanecem no programa até que tenham condições de retornarem para seus familiares ou para casa de uma família substituta.


Texto completo:

PDF

Referências


APTEKAR, L.Crianças de rua nos países em desenvolvimento: uma revisão de suas condições. Psicol. reflex. crit, v. 9, n.1, p. 153-184, jan./jun. 1996. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.

BRASIL. Lei nº 12.010, de 3 de agosto de 2009. Nova Lei de Adoção. Brasília, 2005.

-------------. Lei n. 8.742, de 7 de dezembro de 1993. Lei Orgânica da Assistência Social. Disponível em: . Acesso

em: 09 out. 2016. .

-------------.Violência intrafamiliar: orientações para pratica em serviço. Secretaria de Politicas de Saude. Brasilia: Ministerio da Saúde, 2001.

-------------. Ministério da Saúde. Por uma cultura da Paz, a Promoção da Saúde e a Prevenção da Violência. 1º ed. Secretaria de Atenção á Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2009a.

---------------. Ministério da Saúde. Secretaria de Política de Saúde.Violência intrafamiliar: orientações para pratica em serviço / Secretaria de Política de Saúde. - Brasília: Ministério da Saúde,2001.

----------------. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Brasília, DF, 1990.

BENELLI, S. J. Entidades Assistenciais socioeducativas: a trama institucional. Petrópolis, RJ : Vozes, 2014.

BRITO, R. C. Uso de drogas entre meninos e meninas em situação de rua: Subsídios para uma intervenção comunitária. Dissertação de Mestrado,

Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. 1999.

BRITO, L. M. T.Famílias e separações: perspectiva da psicologia jurídica.Rio de Janeiro: EDUERJ, 2008. 33

GRACIANI, M. S. Pedagogia social de rua: analise e sistematização de uma experiência vivida.5. ed. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2005.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. In:

Revista de Administração de Empresas. São Paulo: v.35, n.2, p. 57-63, abril 1995.

LEITE, L. Meninos de rua: a infância excluída no Brasil. São Paulo: Atual,2001.

LUCCHINI, R. Enfant de laRue: identité, sociabilité, drogue. Genève:

LibrarieDroz. 1993.

LUCCHINI, R. La rechercheavecles enfants de larue em Amerique Latine:

reflexionsméthodologiques. Revueeuropéennedessciencessociales, XXX (93) 139 – 167. 1992.

MENEZES, D. M. do A.; BRASIL, K. C. T. R. Dimensões psíquicas e sociais da criança e do adolescente em situação de rua. Psicol. Reflex. Crit. [Online], v.11, n.2, p.327-344, 1998. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2015.

MOREIRA, H.; CALEFFE, L. G. Metodologia da pesquisa para o professor

pesquisador. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

OLIVEIRA, Walter Ferreira de. Educação social de rua: bases históricas, políticas e pedagógicas. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro , v. 14, n. 1, p. 135-‘158, Mar. 2007 . Disponível em

script=sci_arttext&pid=S0104-59702007000100007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 19 Set. 2016.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948.

PIRES, M. I. S. Política Nacional de Assistência Social, Suas e Legislações

pertinentes. Disponível em:

Capacitacao/material_apoio/mariaizabel_suas.pdf>. Acesso em: 09 out. 2016.

PIRES, Maria Izabel Scheidt. Política Nacional de Assistência Social, SUAS e Legislações pertinentes. Disponível em: . Acesso em: set. 2016.

SANTANA, J. P. Instituições de atendimento a crianças e adolescentes em

situação de rua: objetivos atribuídos por seus dirigentes e pelos jovens

atendidos. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 113 f. 2003.

RIZZINI, I.; PILOTTI,F. A arte de governar crianças: a historia das politicas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. 3. Ed.São Paulo:Cortez,2011.

SANTANA, J. P. Instituições de atendimento a crianças e adolescentes em

situação de rua: objetivos atribuídos por seus dirigentes e pelos jovens

atendidos. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 113 f. 2003.

SEBASTIÃO, J. Crianças de rua: modos de vida marginais na cidade de Lisboa. Oeiras : Celta Editora, 1998. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016

SILVA, Nelsom Barros. Motivos que levam crianças e adolescentes para a rua: umparalelo entre as realidades brasileira e maranhense. Webartigos, s/d. Disponível em . Acesso em 19 Set. 2016.

WESTPHAL, M. F.Violencia e Criança.São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.