RELATÓRIO SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR REALIZADO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO REGIONAL DOS CAMPOS GERAIS

Amanda Carvalho Ferreira, Cristiane Gorte Starcke, Francine Marson Costa

Resumo


Não se aplica

Texto completo:

PDF

Referências


AZZAM, R. S. ; SAKAI, P. Distúrbios da deglutição. Tratado de endoscopia digestiva diagnóstica e terapêutica: esôfago. Atheneu. São Paulo. 1997.

BARCELLOS, C.B. et al. Crescimento da atuação fonoaudiológica na unidade de terapia intensiva (UTI) em um hospital oncológico. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, São Paulo, out. 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2016.

BARROS, A.P.B et al. Atuação fonoaudiológica em unidade de terapia intensiva. In: Fundação Oncocentro de São Paulo. Comitê de Fonoaudiologia em Cancerologia. Fonoaudiologia em cancerologia. São Paulo: FOSP; 2000

CARDOSO, M.C, SILVA, A.M.T.S. Oximetria de pulso: alternativa instrumental na avaliação clínica junto ao leito para a disfagia.14(2), ABR.-JUN.2010.

CLAVE, C, et al. Accuracy of the volume-viscosity swallow test for clinical screening of oropharyngeal dysphagia and aspiration.Clinical Nutrition (2008) 27, 806 e 815.

COSTA, H. Alimentação enteral mínima. Nutrição do recém-nascido. Atheneu. São Paulo. 2007.

COUTO, D.E, NEMR, K. Análise da prática da técnica do copinho em hospitais amigos da criança nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo. Rev. Cefac. 2005; 7(4):448-59.

FUJINAGA,C.Iet al. Validade discriminatória do instrumento de avaliação da prontidão para início da alimentação oral de bebês prematuros. Rev. soc. bras. fonoaudiol. vol.14 no.1 São Paulo, 2009.

FURKIM, A.M, RODRIGUES, K. A. Disfagias nas unidades de terapia intensiva. Roca. São Paulo, 2014.

Grupo de Apoio à Triagem Auditiva Neonatal Universal — GATANU. Disponível em URL:. Acesso em: 26 set. 2016.

HERNANDEZ A.M. Conhecimentos essenciais para atender melhor o neonato. Edição São Paulo: Pulso; 2003.

JOTZ, G.P, ANGELIS. E.C, BARROS.A.P.B. Tratado da deglutição e disfagia: No adulto e na criança. Revinter. Rio de Janeiro, 2009.

HAWDON JM, BEAUREGARD N, KENNEDY G. Identification of neonates at risk of developing feeding problems in infancy. Developmental Medicine & Child Neurology. 2000.

LEMONS, P.K, LEMONS, J.A. Transition to breast/bottle feedings the premature infant. Jam Coll Nutr. 1996;15(2):126-35.

Thoyre SM. Developmental transition from gavage to oral feeding in the preterm infant. Annu Rev Nurs Res. 2003;21:61-92.

LEITE, I.C.G et al. Fonoaudiologia Hospitalar. Jornal Brasileiro de Fonoaudiologia. Curitiba, p. 1-6. jan. 2003. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2016.

LOVISE. Fonoaudiologia Hospitalar. São Paulo. 2003

LUZ, E. A Fonoaudiologia Hospitalar em questão. Jornal do CFFa,2,4,1999.

LUZ, E. A Inimaginável Complexidade entre o Cérebro e Consciência Durante a Intervenção Fonoaudiológica em Pacientes Comatosos. 1999. Disponível em: . Acesso em: 26 set. 2016

MANFREDI, A.F.S, SANTOS, C.B. Intervenção fonoaudiológica junto a mães ou responsáveis por recém-nascidos de risco para deficiência auditiva, precocemente.

MORAES, A.M.S et al. Incidência de disfagia em unidade de terapia intensiva de adultos.Cefac, São Paulo, v. 2, n. 8, p.171-177, abr. 2006. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2016.

MAZZA, M.M.P.R. Cuidar em família: análise de representação social da relação do cuidador familiar com o idoso. Rev Bras Cresc Desenvolv Hum, São Paulo. 2014

OLIVEIRA, S. T. O trabalho do fonoaudiólogo realizado à Beira do Leito, 2003 in: Figueiredo, Elaine Sefrain. Benincasa, Mônica Müller. in: Fonoaudiologia Hospitalar, in: de. São Paulo: Lovise, 2003

PITTIONI, M.E.M. Fonoaudiologia Hospitalar: uma realidade necessária. Rev Cefac. 2001.

ROBBINS J. Tube or not tube: physiological, medical and ethical issues. Asha Short Course.AshaConvention; 1999.

RUGOLO, M. L. S. S. Crescimento e desenvolvimento a longo prazo de prematuro extremo. Jornal de Pediatria. São Paulo. 2005

SANTANA, et al. Critérios para avaliação clínica fonoaudiológica do paciente traqueostomizado no leito hospitalar e internamento domiciliar. Rev Cefac. São Paulo. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.