A ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO E RESILIÊNCIA EM CRIANÇAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA SEXUAL INTRAFAMILIAR

Patrícia Soares do Carmo, Valéria Rossi Sagaz

Resumo


Este artigo tem como objetivo discorrer sobre a violência sexual doméstica e intrafamiliar, bem como sobre o atendimento psicoterápico de crianças vitimizadas. O conceito de resiliência afirma que há possibilidades para essas crianças de superarem as adversidades, no caso deste estudo, a violência. Este artigo apresenta alguns estudos sobre a psicoterapia, entre eles os estudos de Rogers (1977), abordagem humanista em psicologia, bem como aponta a necessidade do psicólogo em acompanhar e dar suporte a essas crianças. Realizou-se uma pesquisa qualitativa e em livros, revistas, periódicos, artigos, teses, dissertações, bem como, em sites eletrônicos. Os resultados apontam que o psicólogo poderá contribuir para o processo de resiliência das crianças vítimas de violência sexual, por meio de três atitudes fundamentais para a psicoterapia, ou seja, a aceitação incondicional, a empatia e a autenticidade ou congruência.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBINOTTI, Claudia. A violência sexual infantil intrafamiliar: a revitimização da criança e do adolescente vítimas de abuso. Artigo extraído do TCC apresentado a Faculdade de Direito da PUC do Rio Grande do Sul, Junho de 2008. Disponível em < http://www3.pucrs.br/pucrs/files/uni/poa/direito/graduacao/tcc/tcc2/trabalhos2008_ 1/claudia_balbinotti.pdf>. Acesso em 25 de setembro de 2016.

BIBLIOTECA DA OMS. Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Genebra, 2002. Disponível em . Acesso em 30 de Março de 2016.

BRASIL, UNICEF. Violência doméstica contra a criança. Site UNICEF, Brasil, 2007. Disponível em < http://www.unicef.org/brazil//smi/cap2-dest1.htm>. Acesso em 25 de setembro de 2016.

CFP - CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Serviço de Proteção Social a Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência, Abuso e Exploração Sexual e suas Famílias: referências para a atuação do psicólogo. Conselho Federal de Psicologia, Brasília: CPF, 2009. Disponível em . Acesso em 18 de Setembro de 2016.

FERREIRA, Ana L. O atendimento a crianças vítimas de abuso sexual: avaliação de um serviço público. Ministério da Saúde, Fundação Osvaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 2002. Tese de Doutorado. Disponível em . Acesso em 24 de outubro de 2016.

GERHARDT, Tatiana Engel e SILVEIRA, Denise T. Métodos de Pesquisa. Universidade Aberta do Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

HABIGZANG, L. F. & CAMINHA, R.M. Abuso sexual contra crianças e adolescentes: conceituação e intervenção clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

MELILLO, A. et. al. Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Porto Alegre: Artmed, 2005.

MORAIS, Roberta L. G. Leite. Violência contra a criança e adolescente: percepção dos profissionais. Jequié – BA, 2012. Dissertação de Mestrado, disponível em < http://www.uesb.br/ppgenfsaude/dissertacoes/ turma3/ROBERTA% 20LAISE%20GOMES%20LEITE%20MORAIS.pdf>, acesso em: 16 de Março de 2016.

OPAS, Organização Pan-Americana da Saúde. Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Disponível em Acesso em: 02 de Maio de 2016.

ROGERS, Carl; ROSENBERG, Rachel Lea. A pessoa como centro. São Paulo: EPU, 1977.

ROSSI, Cornélia P. e NETTO, Liana. Práticas psicoterápicas e resiliência: diálogos com a experiência somática. São Paulo: Scortecci, 2013.

SANDERSON, C. Abuso Sexual em Crianças: fortalecendo pais e professores para proteger crianças contra abusos sexuais e pedofilia. São Paulo: M. Books do Brasil Editora Ltda, 2005.

SANTOS, Cecília Borja. Abordagem Centrada na Pessoa - Relação Terapêutica e Processo de Mudança. Revista do serviço de Psiquiatria do Hospital Fernando Fonseca, PsiLogos, 2004, disponível em http://www.psilogos.com/ Revista/Vol1N2/ Indice2_ficheiros/Santos.pdf. Acesso em 25 de setembro de 2016.

TAVARES, José (org.). Resiliência e educação. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2002


Apontamentos

  • Não há apontamentos.