A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOLOGIA NO AUXÍLIO DO EMPODERAMENTO DE MULHERES BENEFICIÁRIAS DE PENAS ALTERNATIVAS

Mariana Farias, Sara Scheidt Soriano

Resumo


Esta pesquisa tem como objetivo principal apresentar uma proposta de intervenção psicológica para favorecer o empoderamento de mulheres beneficiárias de pena alternativa. Tal demanda foi verificada a partir de vivências com essas mulheres que encontram-se em situação de vulnerabilidade social, as quais apresentam não estarem a par de seus direitos enquanto mulheres e cidadãs. Através de uma pesquisa qualitativa e de uma construção bibliográfica, optou-se pela utilização de grupos operativos e oficinas temáticas como forma de metodologia para favorecer o processo de reflexão na relação grupal. Assim, pela contextualização do público alvo a ser atendido e pelo estudo das lutas para a emancipação da mulher na sociedade e das possibilidades de atuação da psicologia nesse campo, serão construídas possibilidades de intervenções que visam o processo reflexivo onde as mulheres poderão a partir do compartilhamento de informações e da trocas de experiências, ressignificar sua condição atual e formular um pensamento crítico sobre sua posição social e sua existência enquanto mulher.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Ana Carla Farias. ALVES, Ana Karina da Silva. As trajetórias e lutas do Movimento Feminista no Brasil e o protagonismo social das mulheres. IV Seminário CETROS Neodesenvolvimentismo, Trabalho e Questão Social 29 a 31 de maio de 2013 – Fortaleza – CE – UECE – Itaperi. Disponível em: . Acesso em: out. 2016.

BASTOS, Alice Beatriz B. Izique, A técnica de grupos-operativos à luz de

Pichon-Rivière e Henri Wallon. Psicólogo inFormação. ano 14, n, 14 jan./dez. 2010. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psicoinfo/v14n14/v14n14a10.pdf >. Acesso em: ago. 2016.

BRASIL. Constituição (1988). In: Vade Mecum Saraiva. 9. ed. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2012.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Justiça: Central Nacional de Apoio e Acompanhamento às Penas Alternativas. Manual de Monitoramento das penas e medidas alternativas. Brasília, 2012.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1960.

BORIN, Thaisa Belloube. Violência doméstica contra a mulher: percepção sobre violência em mulheres agredidas. Dissertação apresentada à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/USP – Dep. de Psicologia e Educação: Ribeirão Preto, 2007. Disponível em:

.

. Acesso em: set 2016.

BURGOS, Marcella Gymena Pedroza. Produções discursivas sobre a pena de prestação de serviços à comunidade: um estudo com psicólogos jurídicos. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Pernambuco. CFCH. Pós –Graduação em Psicologia. Recife: 2013. Disponível em: < http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10148>. Acesso em out. 2016.

CARDOSO, Eliane Gomes de Bastos. A pena privativa de liberdade e as penas alternativas. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIII, n. 81, out 2010. Disponível em: . Acesso em: out 2016.

CARVALHO, Débora Jucely. A conquista da cidadania feminina. Revista multidisciplinar da UNIESP Saber Acadêmico, n. 11, jun., 2011/ISSN 1980-5950. Disponível em: . Acesso em: abr. 2016. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA & MINISTÉRIO DO TRABALHO. Atribuições Profissionais do Psicólogo no Brasil. Catálogo Brasileiro de Ocupações. Brasíblia: 1992. Disponível em: < http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2008/08/atr_prof_psicologo.pdf>. Acesso em: out. 2016.

CUNHA, Maria de Fátima da. Mulher e Historiografia: da visibilidade à diferença. Hist. Ensino, Londrina, v. 6. p. 141-161, out. 2000. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/article/download/12396/10864>. Acesso em: out. 2016.

DIAS, Maria Berenice. Lei Maria da Penha: a efetividade da Lei 11.340/2006de combate à violência doméstica e familar contra a mulher. 4 ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2015.

DUARTE, Karinne Regis. Oficinas em dinâmica de grupo com mulheres vítimas de violência doméstica: contribuições metodológicas aos estudos sobre violência de gênero. OPSIS, Catalão, v. 11, n. 1, p. 111-124 - jan-jun, 2011. Disponível em: . Acesso em: out. 2016.

KURY. Adriano da Gama. Minidicionário Gama Kury da língua portuguesa. São Paulo: FTD, 2002.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde.12 ed. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 2010.

MONTEIRO, Simone Rocha da Rocha Pires. O marco conceitual da vulnerabilidade social. Sociedade em Debate, Pelotas, 17(2): 29-40, jul.-dez./2011. Disponível em: < http://revistas.ucpel.edu.br/index.php/rsd/article/view/695/619.>. Acesso em: out. 2016.

OLIVEIRA, Regina Silva de. Em análise, a prática do psicólogo junto à pena de prestação de serviços à comunidade. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia

.

Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Psicologia: Belo Horizonte, 2009. Disponível em: < http://www.pucminas.br/documentos/dissertacoes_regina_silva.pdf>. Acesso em: set 2016.

PEDRO, Claudia Bragança. GUEDES, Olegna de Souza. As conquistas do movimento feminista como expressão do protagonismo social das mulheres. Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010. Disponível em: < http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/1.ClaudiaBraganca.pdf>. Acesso em: out. 2016.

PICHÓN-RIVIÈRI, Enrique. O Processo Grupal. 8ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

PONTA GROSSA. Universidade Estadual de Ponta Grossa. Departamento de Pró-Reitoria e Extensão e Assuntos Culturais. Programa Patronato de Ponta Grossa. 2016.

PORTO, Pedro Rui da Fontoura. Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher. 3. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2014.

RIDÃO, Adriana et al. Mulheres no crime: análise psicossocial dos contextos de vulnerabilidade de adolescentes do sexo feminino de classes populares no cometimento de atos ilícitos. In: Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, 1, 2010, Londrina. Disponível em: < http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/1.AdrianaCia.pdf>. Acesso em: out. 2016.

SALIH, S. Judith Butler e a Teoria Queer. Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2013.

SARTI, Cynthia Andersen. O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Estudos Feministas, Florianópolis, v.12, n.2, p.35-50, maio-agosto/2004. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ref/v12n2/23959.pdf>. Acesso em: set 2016.

SILVA, Glauce Cerqueira Corrêa da et al. A mulher e sua posição na sociedade: da antiguidade aos dias atuais. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 65-76, dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: mar. 2016.

ZIRBEL, Ilze. Estudos Feministas e Estudos de Gênero no Brasil: Um Debate. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC Florianópolis: 2007. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/90380/241321.pdf?sequence >. Acesso em: out. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.