A RELAÇÃO ENTRE FIBROMIALGIA E DEPRESSÃO

Gisele Fogaça Rodrigues, Iolanda Amélia Brisky, Kelly de Lara Soczek

Resumo


A fibromialgia e a depressão são duas síndromes que há tempos atrás apresentavam pouca credibilidade para o público em geral, pois seu diagnóstico era de difícil comprovação e isso fazia com que muitos pacientes fossem discriminados. Atualmente já foi comprovado cientificamente que ambas afetam drasticamente a vida dos acometidos e buscam-se formas de amenizar o sofrimento dessas pessoas. Com este intuito também, este estudo teve como objetivos, através do método de pesquisa bibliográfica, verificar a existência de relação entre a fibromialgia e a depressão; saber se essas doenças afetam a qualidade de vida dessas pessoas e, verificar possíveis tratamentos para tais doenças. Os resultados obtidos demonstraram que afibromialgia pode desencadear a depressão, da mesma forma que a depressão pode influenciar na fibromialgia, afetando de forma substancial, a qualidade de vida desses sujeitos. Verificou-se ainda, algumas possibilidades de tratamento para tais patologias, tais como: relaxamento, alongamento, exercícios físicos, entre outros, que podem ser utilizadas a fim de possibilitar uma melhoria na qualidade de vida das pessoas acometidas, porém não houve menção ao tratamento psicoterápico a esses pacientes, embora a literatura nos traga sobre a importância desse tipo de tratamento. A partir disso, conclui-se que é de fundamental importância que sejam realizadas mais pesquisas envolvendo a psicoterapia como alternativa de tratamento, a fim de minimizar o sofrimento vivenciado por estes pacientes.

Texto completo:

PDF

Referências


ANGERAMI- CAMON, A. [et. al] Psicossomática e a psicologia da dor. Pioneira Thomson Learning. São Paulo, 2004.

AVILA, et al. Caracterização dos padrões de dor, sono e alexitimia em pacientes com fibromialgia atendidos em um centro terciário brasileiro. Rev. Bras. Reumatol. São Paulo, 2014.Disponível em:.Acesso em: 18set 2016.

BASTOS, D. F. et al. Dor.Rev. SBP; Rio de Janeiro, 2007.Disponível em: . Acesso em: 10 set 2016.

BECK, J. S. Terapia Cognitiva-Comportamental: teoria e prática. 2ª Ed. Artmed.

Porto Alegre, 2013.

CORTEZ C. M.; SILVA, D.Fisiologia aplicada à psicologia. APX Comun. Visual LTDA. Rio de Janeiro, 2011.

DALGALARRONDO,P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais.2ª edição. Artmed. Porto Alegre,2008.

HELMAN,CECIL G. Cultura,Saúde e doença; tradução Ane Rose Bolner 5ª edição. Artemed. Porto Alegre, 2009. Pagina 177.

HOEFLER,R. DIAS, C. Fibromialgia: doença obscura e tratamentos indefinidos. Bolet. Farma. 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 set 2016.

HOMANN et al. Percepção de estresse e sintomas depressivos: funcionalidade e impacto na qualidade de vida em mulheres com fibromialgia; Revista Brasileira de Reumatologia. São Paulo, 2012.Disponivel em:. Acesso em: 18 set 2016.

LORENA, S. B. de; et al. Avaliação de dor e qualidade de vida de pacientes com fibromialgia.Rev. Dor. São Paulo, 2016. Disponível em:. Acesso em: 18 set 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID 10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Artes Médicas, Porto Alegre, 1993.

PIMENTA, C. A. M. et al. Dor crônica e depressão: estudo em 92 doentes. Rev.Esc.Enf. USP, p. 76-83, 2000. Disponível em:. Acesso em: 10 out 2016.

PORTO, J. A. del. Conceito e diagnóstico. Revista Brasileira de Psiquiatria, vol 21, S1 São Paulo, maio de 1999.Disponível em:. Acesso em: 25 set 2016.

PROVENZA, J.R., et al. Fibromialgia.Rev. Bras. Reumatol. São Paulo, 2004.

Disponível em: . Acesso em: 13 set 2016.

RAMIRO et al.Investigação do estresse, ansiedade e depressão em mulheres com fibromialgia: um estudo comparativo.Rev. Bras. Reumatol.São Paulo,2014.Disponível em:. Acesso em: 02 set 2016.

RANGÉ, B. Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais: Um diálogo com a psiquiatra. Artmed: Porto Alegre, 2001. Cap. 33 p. 542 e 543.

ROCHA, S. R. A., MENDES, A. M., MORRONE, C. F.; Sofriento, disturbio osteomoleculares e depressão no contexto de trabalho: uma abordagem psicodinâmica. Estud. pesqui. Psicol. Rio de Janeiro, 2012.Disponível em:. Acesso em: 15 set 2016.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA- SBR, Fibromialgia: Cartilha para pacientes; São Paulo, 2011. Disponível em:. Acesso em: 12 set 2016.

SALVETTI M. de G. Efeitos de um programa psicoeducativo no controle da dor crônica. Rev. Latino-Am. Enfermagem; Campinas – São Paulo, 2012.Disponível em:. Acesso em: 20 out 2016.

SANTOS, A. M. B. et al, Depressão e qualidade de vida em pacientes com fibromialgia.Rev. bras. fisioter., São Carlos, v. 10, n. 3, p. 317-324, 2006.

Disponível em: . Acesso em: 12 set 2016.

SANTOS et al. Avaliação dos sintomas de ansiedade e depressão em fibromiálgicos. Rev. esc. enferm. São Paulo, 2012.Disponível em:. Acesso em: 18 set 2016.

STIVAL et al. Acupuntura na fibromialgia: um estudo randomizado-controlado abordando a resposta imediata da dor. Rev. Bras. Reumatol. São Paulo, 2014.

Disponível em:. Acesso em: 18 set 2016.

SOARES, G.B.; CAPONI, S. Depressão em pauta: um estudo sobre o discurso da mídia no processo de medicalização da vida. Interface - Comunic., Saúde, Educ. 2011.Disponível em:. Acesso em: 17 out 2016.

VIEIRA, K. F. L., Depressão e Suicídio: uma abordagem psicossociológica no contexto acadêmico. Mestr. Psic. Soci. João Pessoa - PB, 2008.Disponível em:. Acesso em: 20 out 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.