AVALIAÇÃO DAS PRESCRIÇÕES MÉDICAS DE RITALINA® (METILFENIDATO) 10MG, DISPONIBILIZADAS NO SERVIÇO PÚBLICO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA, DURANTE O PERÍODO DE JANEIRO À JUNHO DE 2015

Andréia Walylo, Laila Fernanda Pulcinelli, Loir Antonio de Oliveira, Cleiber Márcio Flores

Resumo


A presente pesquisa avalia as prescrições médicas de Ritalina® (metilfenidato) 10mg, disponibilizadas no serviço público de saúde na cidade de Ponta Grossa PR, durante o período de Janeiro a Junho de 2015, tendo como objetivo analisar as prescrições médicas em comparação com a legislação vigente no Brasil e no Município. A população busca o tratamento medicamentoso como caminho mais fácil, mesmo que não seja o mais adequado, criando uma cultura de automedicação. A Ritalina® (metilfenidato) aparece neste cenário como forma de tratamento das pessoas que são diagnosticadas com Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Qualquer comportamento socialmente inadequado destas crianças, se torna motivo de tratamento medicamentoso. A metodologia deste trabalho foi baseado em método investigativo documental com abordagem qualitativa e quantitativa, de natureza aplicada descritiva, buscando responder ao seguinte questionamento: as prescrições médicas de Ritalina® (metilfenidato) 10mg, disponibilizadas no serviço público de saúde no município de Ponta Grossa, estão de acordo com as legislações vigentes? O resultado desta análise é que 88,9% das receitas avaliadas estão em desconformidade com a legislação.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDA. Associação Brasileira do Déficit de Atenção. Disponível em: . Acesso em: 1 jul. 2016.

ANVISA, Resultado. 2009. Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2016.

______. Bula Metilfenidato. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2016.

APA. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais:DSM-5. 5ªed. Porto Alegre: Artmed, 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.

BRASIL. Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2016.

______. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria RDC n°178 de 24 de Junho de 2002. Disponível em: < http://www.mprs.mp.br/legislacao/id2372.htm?impressao=1& >. Acesso em: 18 nov.2016.

______. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria RDC n°18 de 28 de Janeiro de 2003. Disponível em: < http://www.prosaude.org.br/2013/legislacao_2013/legislacao_textos/Resolu%C3%A7%C3%A3o%20ANVISA%20N.%2018%20-%20Atualiza%C3%A7%C3%A3o%20do%20Anexo%20I,%20Listas%20de%20Subst%C3%A2ncias%20Entorpecentes,%20Psicotr%C3%B3picas,.pdf > .Acesso em: 18 nov. 2016.

______. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos e da prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias e dá outras providências. RDC n. 44, de 17 de agosto de 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2016.

______. Portaria n 3916, de 30 de outubro de 1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Diário Oficial da União, Brasília, v.86, n. 215E, p. 18, 10 nov. 1998. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2016.

______. Portaria nº 6, de 29 de janeiro de 1999. Aprova a Instrução Normativa da Portaria SVS/MS nº 344 de 12 de maio de 1998 que instituiu o Regulamento Técnico das substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Disponível em: < http://www.anvisa.gov.br/hotsite/sngpc_visa/legis/portaria6.pdf?id=839&word=>. Acesso em: 22 out. 2016.

______. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Formulário Terapêutico Nacional 2010: Rename 2010/Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde,2010. Disponível em:

. Acesso em: 22 set. 2016.

______. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Uso Racional de Medicamentos: temas selecionados / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 156 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em:

. Acesso em: 20 set. 2016.

______. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Medicamentos 2001/Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2016.

CLARK, M. A. et all. Farmacologia Ilustrada. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013. COELHO, L. et al. Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) na criança: aspectos neurobiológicos, diagnóstico e conduta terapêutica. Revista de Exemplo, v. 23, n. 4, p. 689-96, 2010. Disponível em: . Acesso em:01 out. 2016.

DAMMENHAIN, RUI, de ANDRADE. Manual Prático para Prescrição de Medicamentos de acordo com a Legislação Sanitária Brasileira. INBRAVISA- Instituto Brasileiro de Auditoria em Vigilância Sanitária. Dez/2010. Disponível em:

. Acesso em: 13 set. 2016.

FREUD, S. (1930 [1929]) O Mal-estar na Civilização. Vol XXI. Cap. III. Freud Online. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2016.

GRASSI, L.et al. Estudo do Consumo de Medicamentos Psicotrópicos no Município De Alto Araguaia – Mt. Jan/ Fev-2015. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2016.

ITABORAHY, C. A Ritalina no Brasil: uma década de produção, divulgação e consumo. 2009. Dissertação (Mestrado) –Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2009. Disponível em:

. Acesso em: 02 out. 2016.

KAPLAN, H. I. Compêndio de Psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. 7. Ed. Porto Alegre: Artmed, 1997, p. 989-994.

KEARNEY, C. Transtornos de Comportamento na Infância: estudo de caso. 4ª ed. São Paulo: Cengage, 2012, p.71-84.

MARIOTTO, R.M.M. ET All. Comentários Sobre as Crianças, suas Famílias e seus Sintomas p. 61 à 69. ______ Psicanálise e Ações de Prevenção na Primeira Infância. Escuta/Fapesp: São Paulo, 2012.

LEITE, H. A. Et Al. Psicologia Histórico-Cultural e desenvolvimento da atenção voluntária: novo entendimento para o TDAH. Psicol. Esc. Educ. (Impr.). Maringá, v. 15, n. 1, p. 111-119, June 2011. Available from. Disponível em: . Acesso em: 02 out. 2016.

MAIA, I. F. Disputas em Torno da Ritalina: entre a obediência farmacológica e a inteligência drogada. Trabalho apresentado na 30ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 03 e 06 de agosto de 2016, João Pessoa/PB.” PPGCS/UFRN. Disponível em: . Acesso em: 02 out. 2016.

MARIN, N. et al. [Org.]. Assistência Farmacêutica para Gerentes Municipais. Rio de Janeiro: OPAS/OMS, 2003.

MINISTÉRIO da SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL de VIGILÂNCIA SANITÁRIA GERÊNCIA GERAL de INSPEÇÃO e CONTROLE de INSUMOS, MEDICAMENTOS e PRODUTOS. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC Nº 39 De 9 de Julho de 2012. Dispõe sobre a atualização do Anexo I, Listas de Substâncias Entorpecentes, Psicotrópicas, Precursoras e Outras sob Controle Especial, da Portaria SVS/MS nº 344, de 12 de maio de 1998 e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2016. _______. Secretaria de Vigilância Sanitária - Portaria n.344/1998. Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Brasília, 1998. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Guia do Instrutor em Práticas da Boa Prescrição Médica. Genebra: OMS, 2001.

PAPALIA, D. E. et al. Desenvolvimento Físico e Cognitivo na Terceira Infância p.313 à 351/Desenvolvimento humano. 12. ed. Porto Alegre: Artmed. 2013.

PASTURA, G. ET AL. Efeitos colaterais do metilfenidato. Revisão de Literatura: Rev. Psiq. Clín. 31 (2);100-104.2004. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2016.

RANG, H.P.; DALE, M.M. Farmacologia. 2. Ed. Koogan AS. Guabanara: 1993. p. 202 - 205.

RAPKIEWICZ, J. C.; GROBE, R. Manual para Dispensação de Medicamentos – Sujeitos à Controle Especial – 4ª Edição- 2015. Centro De Informação Sobre Medicamentos Do Conselho Regional De Farmácia Do Estado Do Paraná - CIM/CRF- PR. Disponível em: . Acesso em: 27/out/2016.

ROHDE et all. Transtornos da aprendizagem/ Intervenções escolares no transtorno de déficit de atenção /hiperatividade. Porto Alegre: Artmed. 2006.

SILVA, N. M. Uso Racional de Antidepressivo na Rede Pública no Município de Bom Jesus –RS. Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC- Pós-Graduação Especialização em Saúde Mental. 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2016.

WUNDERLICH, L. S. Protótipo De Um Sistema Para Informatização do Histórico Clínico de Pacientes. Universidade Do Planalto Catarinense Curso De Sistemas De Informação (Bacharelado) –UNIPLAC. SC. 2015. Disponível em:

. Acesso em: 13 out 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.