CONTRIBUIÇÕES DA PSICANÁLISE PARA A ELABORAÇÃO DO LUTO MATERNO

Anselmo Fabrício Portela, Sheron Lima da Silva, Sara Scheidt Soriano

Resumo


O luto materno causa um grande impacto na vida da mulher, devido ao laço mãe-filho que foi estabelecido. E por ser este tema de grande relevância pretendemos por meio deste artigo investigar como o psicólogo pode atuar nesses casos através da abordagem psicanalítica. Usamos enquanto método a pesquisa bibliográfica qualitativa objetivando verificar a visão psicanalítica da constituição do laço mãe-filho, indicar aspectos específicos do luto materno, inclusive os relacionados ao narcisismo da mãe e apontar maneiras de elaboração do luto materno. Nesse contexto consideramos que o psicólogo pode auxiliar a mãe a passar pelas fases do luto, proporcionando conforto psíquico e auxiliando no processo de elaboração dessa grande perda.

Texto completo:

PDF

Referências


ARIÉS, P. Sobre a História da Morte no Ocidente. Lisboa: Teorema, 2.ed. 1989. p. 190.

BERNARDINO, L. As entrevistas preliminares na psicanálise com crianças. Associação psicanalítica de Curitiba, em Revista, n.23, 2011, p. 65-73.

BOUSSO, REGINA SZYLIT. A complexidade e a simplicidade da experiência do luto in Acta Paulista de Enfermagem, v.24, n.3, p.7, 2011

CAMPOS, E.B.V. Considerações sobre a morte e o luto na psicanálise. Revista de Psicologia da Faculdade de Ciências - UNESP Bauru, 12 (1), 2013, p. 13-24.

FERRARI, A. G. et al. O narcisismo no contexto da maternidade: algumas evidências empíricas. Psico, Porto Alegre, PUCRS, v. 37, n. 3, p. 271-278, set/dez 2006.

FREUD, S. Conferências introdutórias à psicanálise [1916-1917]. Obras completas, vol 13. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

FREUD, S. Introdução ao narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos [1914-1916]. Obras Completas Vol 12. Tradução e notas de Paulo César de Souza – São Paulo: Companhia das letras, 2010.

FREUD, S. (1917). Luto e Melancolia. Tradução de Marilene Carone. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

FREUD, S. Observações psicanalíticas sobre um caso de paranoia relatado em autobiografia (“O caso Schreber”), artigos sobre técnica e outros textos [1911-1913]. Obras Completas Vol 10. Tradução e notas de Paulo César de Souza – São Paulo: Companhia das letras, 2010.

FREUD, S. O início do tratamento (1913). São Paulo: Companhia da Letras, 2010.

FREUD,S. O método psicanalítico de Freud. 1904

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila. p. 32

GUTIERREZ, D. M. D. Vínculo mãe-filho: reflexões históricas e conceituais à luz da psicanálise e da transmissão psíquica entre gerações. Revista do Nufen – Ano 03, v. 01, n. 02, agosto-dezembro, 2011.

IRELAND, V. E. A dor do luto e seu acolhimento psicanalítico. Estudos de Psicanálise, Belo Horizonte – MG, n. 35, p. 151-166, jun/2011.

MACEDO, M; FALCÃO, C. A escuta na psicanálise e a psicanálise da escuta. Psychê v.9 n.15 São Paulo jun. 2005. ISSN 1415-1138.

MARSON, A. P. Narcisismo materno: quando meu bebê não vai para casa... Revista SBPH v.11 n. 1, Rio de Janeiro, jun, p. 161-169, 2008.

PICCININI, C. A. Et al. Gestação e a constituição da maternidade. Psicologia em estudo, Maringá, v. 13, n.1, p. 63-72, jan./mar., 2008.

ROSS, Elizabeth Klüber. Sobre a morte e o morrer. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

WINNICOTT, D.W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago Editora Ltda, 1975.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.