O ENEAGRAMA COMO FERRAMENTA DE AUTOCONHECIMENTO E SUA RELAÇÃO COM A TEORIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL

Telma Regina Antoniácomi Maschio, Kelly de Lara Soczek

Resumo


O Eneagrama como ferramenta de autoconhecimento e a Teoria Cognitivo-Comportamental como teoria psicológica são duas teorias que visam proporcionar às pessoas maior autoconhecimento, ambas com antecedentes e conteúdos que se procurou demonstrar nesta pesquisa como correlatos. Esta pesquisa básica de levantamento de dados buscou responder à pergunta: O autoconhecimento proporcionado pelo Eneagrama favorece a busca pelo  desenvolvimento pessoal e pode ser uma ferramenta útil na terapia? A pesquisa objetivou analisar, através dos conteúdos trazidos por pessoas que entraram em contato com o Eneagrama, a possibilidade de traçar objetivos a serem trabalhados em terapia, sob o enfoque da Teoria Cognitivo-Comportamental e se essas mesmas pessoas apresentariam maior abertura a um trabalho terapêutico. O instrumento de coleta de dados foi o questionário misto com perguntas tricotômicas, múltipla escolha e perguntas abertas, enviado a cem pessoas que realizaram pelo menos o Eneagrama I, curso oferecido por uma Instituição, que ministra o curso. Os dados foram analisados quantitativamente, através da tabulação simples das questões fechadas, e qualitativamente através da análise de conteúdo das justificativas e questões abertas. Os resultados obtidos revelaram tanto quantitativamente, quanto qualitativamente, pelas respostas dos pesquisados que o Eneagrama proporciona o autoconhecimento ou pelo menos desperta o interesse pelo desenvolvimento pessoal e traz conteúdos que podem ser objeto de trabalho em terapia. Revelou também que algumas questões podem ser modificadas ou adequadas a novas pesquisas. A pesquisa se baseou em uma amostra pequena, não representando o total dos eneatipos do Eneagrama ou um número substancial de cada tipo para que se pudesse se obter dados mais concretos, portanto, não podendo ser generalizados, porém, a correlação levantada na pesquisa entre as duas teorias sugere maior aprofundamento, pois revelou dados bastante interessantes que merecem ser analisados em novas pesquisas. Espera-se ter contribuído com a Instituição pesquisada, no que concerne à validade da utilização da ferramenta do Eneagrama como instrumento de autoconhecimento; com a sociedade, oportunizando conhecimento sobre essa ferramenta; e com a psicologia e o meio científico ao oportunizar os resultados da pesquisa que podem servir de base para aplicação em outros grupos de pesquisa ou aprofundamento do conhecimento sobre o tema a partir dos dados obtidos.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. M. de. Introdução à Metodologia do Trabalho Científico. 4. ed. São Paulo: Editora Atlas S.A – 1999.

BECK, J.S. Terapia Cognitiva: teoria e prática. Tradução Sandra Costa. Porto Alegre: Artmed, 1997.

BERGIN, E.; FITZGERALD, E. A espiritualidade do Amor em nossa Fraqueza. Brasília: Edições Pelicano, 1996.

CHAER, G., DINIZ, R. R. RIBEIRO, E. A. Técnica do questionário na pesquisa educacional. Araxá: Evidência, v. 7, n. 7, p. 251-266, 2011.Texto [ON LINE]. Disponível em:

. Acesso em: 30 mar. 2016.

DANIELS, D.; PRICE, V. A Essência do Eneagrama – Manual da Autodescoberta e Teste Definitivo de Personalidade. 11. ed. São Paulo: Editora Pensamento, 2014.

EQUIPE DE FORMAÇÃO. Apostila do Curso do Eneagrama I. Ponta Grossa:

Centro de Valorização e Integração Humana Gente Re-Gente, 2015.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A.. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

LEAHY, R. L. Técnicas de terapia cognitiva: manual do terapeuta. Porto Alegre: Artmed, 2006.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M.. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MELENDO, M. O Eneagrama: um método de autoconhecimento, auto-aceitação e aperfeiçoamento das relações interpessoais. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

PALMER, H. O Eneagrama: compreendendo-se a si mesmo e aos outros em sua vida. São Paulo: Paulinas, 1993.

PASSOS, A., et al. O Eneagrama em união: escolas significados e aplicações. São Paulo: Qualidade em Quadrinhos editora, 2014.

RANGÉ, B. Psicoterapia comportamental e cognitiva: Pesquisa, prática,

aplicações e problemas. São Paulo: Livro Pleno, 2001.

RANGÉ, B. Homenagem a Albert Ellis. Rev. Bras. Ter. Cogn. [online]. 2007, vol.3, n.2, pp. 0-0. ISSN 1982-3746. Disponível em:. Acesso em: 01 out. 2016.

ROHR, R.; EBERT, A. O Eneagrama: as nove faces da alma. Tradução de Edgar Orth. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

SAMPIERI, R. H; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. del P. B.. Metodologia de pesquisa.. 5 ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SHULTZ, D. P.; SCHULTZ, S. E. Teorias da personalidade. 2 ed. São Paulo:Cengage Learning, 2011.

WRIGHT, J. H.; BASCO, M. R.; THASE, I. E.. Aprendendo a terapia cognitivocomportamental: um guia ilustrado. Porto Alegre: Artmed, 2008.

WEBB, K. Fundamentos do Eneagrama. Tradução de Henrique Amaral Rêgo Monteiro. São Paulo: Avatar, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.