O PAPEL DA FAMÍLIA DE CRIANÇAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA QUE FREQUENTAM O CREAS- ACONCHEGO

Bruna Gomes Xavier, Hellynn Christine Voss, Valéria Rossi Sagaz

Resumo


Este estudo é sobre o papel da família no enfrentamento das consequências da violência sexual sofrida por crianças. Esta pesquisa foi realizada no Centro de Referência Especializado em Assistência Social- CREAS Aconchego no Paraná. O problema de pesquisa foi: qual o papel da família para a superação da violência sofrida pela criança que participa do CREAS Aconchego? O objetivo geral foi pesquisar sobre o papel da família de crianças vítimas de violência sexual frequentadoras do CREAS Aconchego. Os objetivos específicos foram levantar dados estatísticos sobre a violência sexual contra a criança no CREAS Aconchego no período de julho a dezembro de 2015, investigar como os pais reagem frente à descoberta da violência sexual contra seu (sua) filho (a), pesquisar como os familiares das crianças que frequentam o CREAS Aconchego as auxiliam na superação da violência sofrida, estudar a importância do atendimento psicológico no CREAS para crianças que sofreram violência e suas mães. Esta pesquisa caracteriza-se como qualiquantitativa. Houve a participação de somente uma mãe de criança que foi abusada sexualmente e que frequenta o CREAS Aconchego, devido a recusa das demais. A coleta de dados foi por meio de pesquisa documental e entrevista semiestruturada. A análise dos resultados utilizou o método estatístico e gráficos, e análise de conteúdo elencando-se categorias. Os resultados demonstram que de julho a dezembro de 2015, cinco crianças e adolescentes do sexo masculino sofreram violência sexual, e onze do sexo feminino, e que suas famílias possuem dificuldade em falar sobre a violência sofrida por seus filhos, mas as auxiliam na superação das consequências da violência sofrida dando suporte emocional e procurando recursos como o atendimento psicológico no CREAS, considerado importante pela família.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, B. G. M. A violência na sociedade contemporânea. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

AZEVEDO, R. C. Negligência Familiar E Relações De Gênero: reflexões sobre o trabalho dos(as) conselheiros(as) tutelares de Fortaleza. Universidade Federal do Maranhão. São Luis, 2005.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente (1990). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm. Acesso em: 13 jul. 2016.

_______. Presidência da República. Secretaria de Direitos Humanos. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA). Parâmetros de Funcionamento dos Conselhos Tutelares. Brasília, 2001.

_______. Secretaria De Direitos Humanos; Secretaria Nacional De Promoção Dos Direitos Da Criança E Do Adolescente; Conselho Nacional Dos Direitos Da Criança E Do Adolescente. Construindo a Política Nacional dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes e o Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes 2011 – 2020. 2010.

CASARIN, N. E. F. Família e aprendizagem escolar. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, da Faculdade de Física da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

CLAVES - Centro Latino Americano de Estudos sobre Violência e Saúde. Protocolo de investigação sobre maus tratos na infância e adolescência. Rio de Janeiro: ENSP-FIOCRUZ/OPAS, 1992.

COGO, K.S.; MAHL, A.C.; OLIVEIRA, L.A.; HOCH, V.A. Consequências psicológicas do abuso sexual infantil. Unoesc & Ciência - ACHS, Joaçaba, v.2, n.2, p. 130-139, jul./dez. 2011. COSTA, M. C. O. et al. O perfil da violência contra crianças e adolescentes, segundo registros de Conselhos Tutelares: vítimas, agressores e manifestações de violência. Ciência & Saúde Coletiva, 2007. Disponível em: . Acesso em 24 maio 2016.

DEL PRETTE, A., & DEL PRETTE, Z. A. P. Psicologia das relações interpessoais: vivência para o trabalho em grupo. Petrópolis: Vozes, 2001.

DESSEN, M. A. A Família e a escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia, 17(36), 21-32, 2007.

DESSEN, M. A.; BRAZ, M. P. As relações maritais e sua influência nas relações parentais: implicações para o desenvolvimento da criança. In M. A. DESSEN & A. L. COSTA JUNIOR (Orgs.), A ciência do desenvolvimento humano: Tendências atuais e perspectivas futuras (pp. 132-151). Porto Alegre: Artmed Editora S.A., 2005.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3. ed. Curitiba: Positivo, 2004. FERREIRA, A. L. Acompanhamento de crianças vítimas de violência: desafios para o pediatra. J. Pediatria. (Rio J.) vol.81 no.5 suppl.0 Porto Alegre Nov. 2005.

FIGUEIREDO, K; BOCHI, S. B. B. O Trabalho Infantil Doméstico nas Cidades de Belém, Belo Horizonte e Recife: um diagnóstico rápido. Organização Internacional do Trabalho, Brasília, 2003. 55-69.

GERHARDT, T. E; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GONÇALVES, C.R. Direito Civil Brasileiro, volume IV: direito de família- 5ª Ed., ver. E atual. –São Paulo: Saraiva, 2008. INOUE,, S. R. V.; RISTUM, M. Violência sexual: caracterização e análise de casos revelados na escola. Estud. psicol. (Campinas) vol.25 no.1 Campinas Jan./Mar. 2008.

LAVORATTI, C. Tecendo a rede de proteção: desafios do enfrentamento intersetorial à violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes no município de Curitiba/PR. 2013, 318 f. Tese (Doutorado em Sociologia)- Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2013.

MACHADO, M. Compreender a terapia familiar. O portal dos Psicólogos. 2012. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/ver_artigo.php?codigo=A0626

MANZINI, E. J. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. In: Seminário internacional sobre pesquisa e estudos qualitativos. 2. Bauru, 2004.

MARQUES, G. M. V.; TELLES, M. S. B.; FEIJÃO, G. M. M. Psicologia e Abuso Sexual Infantil: uma delicada e essencial intervenção. ANAIS do I Encontro de Iniciação à Docência da Faculdade Luciano Feijão. Sobral-CE, novembro de 2013.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade.19.ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

Ministério Público do Estado do Paraná. CREAS – Institucional.Disponível em:http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/suas/creas/creas_institucional.pdf. Acesso em: 11 maio. 2005.

PAULA, E. S. O abuso sexual na família: um estudo sobre o enfrentamento a partir de intervenção institucional. 2011, 116 f. Tese (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal Da Bahia – UFBA. Salvador, 2011.

Perguntas e respostas: Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS/ Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome- Brasília, DF- 2011.

PASSERINI, J. A influência da família no desenvolvimento emocional de crianças sob situação de risco: um olhar da terapia ocupacional. Webartigos, Goiás/GO, 2009.

Plano decenal dos direitos da criança e do adolescente do estado do Paraná: 2014-2023 / Comitê Interinstitucional para Elaboração, Implementação e Acompanhamento do Plano Decenal dos Direitos da Criança e do Adolescente. (Org.); Secretaria da Família e Desenvolvimento Social (Equipe técnica). Curitiba: SECS, 2013.

PRATTA, E.M.M; SANTOS, M.A. Família e adolescência: a influência do contexto familiar no desenvolvimento psicológico de seus membros Psicol. Estud. v.12 n.2 Maringá maio/ago. 2007.

RABECINI, S. G. M. O papel da afetividade na aprendizagem infantil. São Paulo: Portal dos Psicólogos, 2015. SACRAMENTO, L. T; REZENDE, M.M. Violências: lembrando alguns conceitos. Aletheia n.24 Canoas dez. 2006.

SANDERSON, C. Abuso Sexual em Crianças: fortalecendo pais e professores para proteger crianças contra abusos sexuais e pedofilia. São Paulo: M. Books do Brasil Editora Ltda. 2005.

SANTOS, B. R. dos. Guia escolar: identificação de sinais de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Seropédica, RJ: EDUR, 2011.

SANTOS, S. S.; DELL’AGLIO, D. D. Quando o Silêncio é Rompido: O Processo De Revelação E Notificação De Abuso Sexual Infantil. Psicologia & Sociedade; 22 (2): 328-335, 2010.

SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS. SGD Sistema de Garantia de Direitos. 2010. Disponível em: http://www.stds.ce.gov.br/index.php/publicacoes/category/25-sistema-de-informacao-para-a-infancia-e-adolescencia-sipia?download=351%3Aapostila-modulo-4-sgd-sistema-de-garantias-de-direitos&start=20. Acesso em: 05/10/16.

SENADO FEDERAL. Comissão Parlamentar Mista De Inquérito. Brasília, 2013.

SOUZA A. L. T. M.; FLORIO, A.; KAWAMOTO, E. E. O neonato, a criança e o adolescente. São Paulo: EPU, 2001.

WAGNER, A.; RIBEIRO, L.S.; ARTECHE, A.X.; BORNHOLDT, E.A. Configuração familiar e o bem-estar psicológico dos adolescentes. Psicologia: Reflexão e Crítica v.12 n.1 Porto Alegre, 1999.

YUNES, M. A. M.; SZYMANSKI, H. O estudo de uma família “que supera as adversidades da pobreza”: caso de resiliência familiar? Psicodebate 7. Psicología, Cultura y Sociedad. Fundación Universidad Federal de Río Grande do Sul,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.