O POSICIONAMENTO DO MÉDICO E DO PSICÓLOGO NA COMUNICAÇÃO DO ÓBITO DO PACIENTE AOS SEUS FAMILIARES

Elaine Aparecida Lacerda, Annemieck Suelen Los, Sandra Mara Dias Pedroso

Resumo


A presente pesquisa tem como objeto de estudo o posicionamento dos profissionais médicos e psicólogos quando passam aos familiares a notícia do óbito do paciente internado. Para tanto esta investigação de cunho qualitativo visa descrever através da Análise de Conteúdo os dados obtidos a partir da pesquisa de campo, que tem como mecanismo de coleta, o questionário. Diante da situação apresentada elencou-se os seguintes objetivos: analisar o posicionamento interno (pensamentos, sentimentos, emoções) do médico e do psicólogo em relação à comunicação da morte do paciente; identificar os recursos individuais utilizados pelos profissionais antes da comunicação de morte do paciente aos familiares; identificar o grau de influência no médico e no psicólogo a morte do paciente; verificar a relação do médico e do psicólogo com a perda do paciente. Constatou-se que a notícia do óbito é relatada pelo médico tendo o acompanhamento do psicólogo, porém ambos demonstram preocupação em assistir as famílias, cabendo ao psicólogo dar o suporte e o apoio necessário aos familiares. O estudo evidenciou que os profissionais apresentam determinados sentimentos diante da morte de um paciente, assim como no momento de informar o óbito aos familiares.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, L. V.S. A Atuação do Psicólogo Hospitalar Diante da Morte em Unidades de Terapia Intensiva.Psicologado artigos. [S.l.: s.n.], fev. 2015. Disponível em: Acesso em: 19 de jul. de 2016.

AMARAL, M. X. G. et al . Reações emocionais do médico residente frente ao paciente em cuidados paliativos. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v. 11,n. 1, p. 61-86, jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2016.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Edições 70, 1977.

BASSO, L. A.; MARIN, A. H.Comportamento de apego em adultos e a experiência da perda de um ente querido. Aletheia,Canoas, n. 32, p. 92-103, ago. 2010. Disponível em: . Acesso em:18 set. 2016.

CHIATTONE. H. B. C. Prática Hospitalar. In: Encontro Nacional de Psicólogos da Área Hospitalar, 08, 2003, São Paulo. Anais... São Paulo: Associação Brasileira de Psicologia da Saúde e Hospitalar, 2003, p. 20 – 32.

CARVALHO, P. R. A; AZEVEDO, N. S. G de. Quando quem morre é criança. In: SANTOS, F. S. (Org.) Cuidados paliativos: discutindo a vida, a morte e o morrer. São Paulo: Atheneu, 2009.

COSTA, J. C. da; LIMA, R. A. G. de. Luto da equipe: revelações dos profissionais de enfermagem sobre o cuidado à criança/ adolescente no processo morte e morrer.Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 13, n. 2, p. 151-157,mar./abr.2005.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

JUNQUEIRA, M. H. R.; KOVÁCS, M.J. Alunos de Psicologia e a educação para a morte. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 28, n. 3, p. 506-519, 2008 . Disponível em: . Acessoem: 26 set. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932008000300006.

KOVÁCS, M. J.Sofrimento da equipe de saúde no contexto hospitalar:cuidando do cuidador profissional. O Mundo da Saúde, São Paulo, p.420-429, 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2016.

LABATE, R. C.; CASSORLA, R. M. S. A escolha do profissional de saúde em trabalhar com pacientes mastectomizadas. Revista Brasileira de Psiquiatria, 21 (2): 101-105, 1999.

LE BRETON, D. Laspasionesordinarias. Antropología de las emociones. Buenos Aires: Nueva Visión, 1998.

MACHADO, L. M.B. Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos. Ponta Grossa: IESSA, 2011.

MARTINS, E. L.; ALVES, R. N.; GODOY; S. A. F. de. Reações e sentimentos do profissional de enfermagem diante da morte. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, v. 52, n. 1, p. 105-117, jan./mar. 1999. Disponível em: Acesso em: 12 set. 2016.

MEDEIROS, L. A.; LUSTOSA, M. A. A difícil tarefa de falar sobre morte no hospital. Rev. SBPH,Rio de Janeiro,v. 14, n. 2, p. 203-227, dez.2011. Disponível em:. Acesso em: 18 set. 2016.

MENDES, J. A.; LUSTOSA, M. A.; ANDRADE, M. C. M. Paciente terminal, família e equipe de saúde. Rev. SBPH,Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 151-173, jun. 2009. Disponível em:. Acesso em: 18 set. 2016.

NEVES, L. M. B.; JANKOSKI, D. A.; SCHNAIDER, M. J. Tutorial de Pesquisa Bibliográfica. Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E Sede, Curitiba, mai. 2013. Disponível em: .Acesso em: 25 mar. 2016.

OLIVEIRA, W. I. A. de; AMORIM, R. da C. A morte e o morrer no processo de formação do enfermeiro.Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre,v. 29, n. 2, p. 191-197, jun.2008.

PAIVA, L. E. O médico e sua relação com o paciente diante da morte. In: SANTOS, F.S..Cuidados paliativos: discutindo a vida, a morte e o morrer. São Paulo: Atheneu, 2009.

REY, F. G. EpistemologíaCualitativa y Subjetividad. São Paulo:Educ., 1997.

SALGADO, C. L. et al. Morte e enfrentamento: um olhar para a prática médica. Prática Hospitalar, São Paulo, ano 6, n. 66, p. 116-119, nov./dez. 2009.

SALOMÉ, G.M; CAVALI, A; ESPÓSITO, V. H. C. Sala de emergência: o cotidiano das vivências com a morte e o morrer pelos profissionais de saúde. RevistaBrasileira de Enfermagem REBEn, Brasília, DF, v. 62, n. 5, p. 681-686,set./out.2009.

SANTOS, F. S. Conceituando morte. In: SANTOS, F.S. (Org.) Cuidados paliativos: discutindo a vida, a morte e o morrer. São Paulo: Atheneu, 2009.

SANTOS, J. L.; BUENO, S. M. V. Educação para a morte a docentes e discentes de enfermagem: revisão documental da literatura científica. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 272-276, Mar. 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 set. 2016.

SEBASTIANI, R.W. Psicologia da Saúde: uma especialidade dedicada ao cuidado humano. In: BORTOLLETI, F.F.Psicologia na prática obstétrica: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Manole, 2007.

SENTIMENTOS. Disponível em:https://www.dicio.com.br. Acesso em: 1 out. 2016.

SHIMIZU, H. E. Como os trabalhadores de enfermagem enfrentam o processo de morrer. Revista Brasileira de Enfermagem REBEn, Brasília, DF, v. 60, n. 3, p.257-262, maio/jun.2007.

SILVA, C. C. A Morte e a Elaboração do Luto na Visão de Alguns Autores.Psicologado artigos. Sobral-CE, abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2016.

SIMONETTI, A. Manual de Psicologia Hospitalar: o mapa da doença. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2004. 200 p.

SOUZA, J. de L. et. al. A família , a morte e a equipe: acolhimento no cuidado com a criança.In: SANTOS, F.S..Cuidados paliativos: discutindo a vida, a morte e o morrer. São Paulo: Atheneu, 2009.

STANISCIA, A. C. M. et al . Dificuldades emocionais vivenciadas pelos médicos intensivistas da unidade de terapia - adulto de um hospital geral privado. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 41-73, jun. 2011. Disponível em: . Acessoem: 18 set. 2016.

STARZEWSKI JÚNIOR, A. S; ROLIM, L. C; MORRONE, L. C. O preparo do médico e a comunicação com famílias sobre a morte. Revista Associação MédicaBrasileira, São Paulo, v. 51, n. 1, p. 11-16, 2005. Disponível em:. Acesso em:10 out.2016.

VALIM, F. B.; D’AGOSTINI, C. L. A. F. Morte e Luto: reações da equipe multidiscipli-nar diante da morte do paciente. Pesquisa em Psicologia Anais Eletrônicos, Joa-çaba, 101-122, 2015. Disponível em: http://editora.unoesc.edu.br/index.php/pp_ae/article/view/8698> . Acesso em: 12 set. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.