ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM NO ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA

Autores

  • Edvania Maria de Andrade FACULDADE ESTÁCIO DE CARAPICUÍBA
  • Ana Maria dos Santos Silva Albuquerque FACULDADE ESTÁCIO DE CARAPICUÍBA
  • Hosana da Silva Louback FACULDADE ESTÁCIO DE CARAPICUÍBA

Resumo

Conforme preconiza a Organização Mundial da Saúde o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida do bebê deve ser o principal alimento, pois alimentação adequada nessa fase é essencial para manter a saúde, o crescimento eo desenvolvimento infantil. Entre os tipos de alimentação, o aleitamento materno (AM) é considerado pela Organização Mundial de Saúde como uma das cinco Ações Básicas de Saúde no combate à desnutrição e contribui grandemente paramelhoramento das condições de saúde da população infantil. O AME é uma eficaz estratégia para fortalecimento do vínculo entre a mãe e o bebê, além disso, protege a criança de inúmeras doenças e reduz a morbimortalidade infantil. O objetivo desse estudo é salientar a importância das orientações de enfermagem no aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida. A pesquisa foi feita baseada em artigos científicos bibliográficos que tratam do tema em questão. A partir desses estudos pode se concluir que o aleitamento materno traz muitos benefícios para a criança, portanto, sua prática deve ser incentivada pelos profissionais de enfermagem desde o acompanhamento do pré-natal uma vez que muitas mulheres deixam de amamentar o bebê ainda nos primeiros dias de vida devido aos problemas de lactação que são frequentes após o pós-parto.

Biografia do Autor

Hosana da Silva Louback, FACULDADE ESTÁCIO DE CARAPICUÍBA

Conforme preconiza a Organização Mundial da Saúde o aleitamento maternoexclusivo até o sexto mês de vida do bebê deve ser o principal alimento, poisalimentação adequada nessa fase é essencial para manter a saúde, o crescimento eo desenvolvimento infantil. Entre os tipos de alimentação, o aleitamento materno(AM) é considerado pela Organização Mundial de Saúde como uma das cinco AçõesBásicas de Saúde no combate à desnutrição e contribui grandemente paramelhoramento das condições de saúde da população infantil. O AME é uma eficazestratégia para fortalecimento do vínculo entre a mãe e o bebê, além disso, protegea criança de inúmeras doenças e reduz a morbimortalidade infantil. O objetivo desseestudo é salientar a importância das orientações de enfermagem no aleitamentomaterno exclusivo até o sexto mês de vida. A pesquisa foi feita baseada em artigoscientíficos bibliográficos que tratam do tema em questão. A partir desses estudospode se concluir que o aleitamento materno traz muitos benefícios para a criança,portanto, sua prática deve ser incentivada pelos profissionais de enfermagem desdeo acompanhamento do pré-natal uma vez que muitas mulheres deixam deamamentar o bebê ainda nos primeiros dias de vida devido aos problemas delactação que são frequentes após o pós-parto.

Referências

ASEMAHAGN, M. A. Determinants of exclusive breastfeeding practices among mothers in azezo district, northwest Ethiopia. International Breastfeeding Journal, Londres, v. 11, n. 22, 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4971749/>. Acesso em: 8 dez 2016.

ASFAW, M. M.; ARGAW, M. D.; KEFENE, Z. K. Factors associated with exclusive breastfeeding practices in Debre Berhan District, Central Ethiopia: a cross sectional community based study. International Breastfeeding Journal, Londres, v. 10, n,

, 2015.

BARBOSA, G, E. F. et al . Dificuldades iniciais com a técnica da mamada e impacto na duração do aleitamento materno exclusivo. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife , v. 18, n. 3, p. 517-526, set. 2018 . Disponível em

<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292018000300517&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 21 ago 2019.

CARVALHO, M. J. L. N. et al. Primeira visita domiciliar puerperal: uma estratégia protetora do aleitamento materno exclusivo. São Paulo: Rev. Paul Pediatr 2018. 66-73.

CAMPOS, A. M. S. et al. Prática de aleitamento materno exclusivo informado pela mãe e oferta de líquidos aos seus filhos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 23, n. 2, p. 283-290, mar./abr. 2015. Disponível em:

<http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n2/pt_0104-1169-rlae-23-02-00283.pdf>. Acesso em: 03 jul 2019.

COCA, K. P. et al. Conjunto de medidas para o incentivo do aleitamento materno exclusivo intra-hospitalar: evidências de revisões sistemáticas. Rev Paul Pediatr. 2018;36(2):214-220.

DADALTO, E. C. V.; ROSA, E. M. Conhecimentos sobre benefícios do aleitamento materno e desvantagens da chupeta relacionados à prática das mães ao lidar com recém-nascidos pré-termo. Rev Paul Pediatr. 2017;35(4):399-406.

FERNANDES, V. M. B. Condutas de gestores relacionadas ao apoio ao aleitamento materno nos locais de trabalho. Santa Catarina. Texto Contexto Enferm, 2016;27(3)

FERREIRA, H. L. O. C, et al. Fatores Associados à Adesão ao Aleitamento Materno Exclusivo. Ciênc. saúde colet. 23 (3) Mar 2018. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-

&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 20 ago 2019.

FROTA, M. A. et al. Interfaces of the discontinuation of breastfeeding. Acta Scientiarum, Maringá, v. 38, n. 1, p. 33-38, jan./jun. 2016. Disponível em: <http://ojs.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHealthSci/article/viewFile/28514/pdf>.

Acesso em: 02 ago 2019.

MARGOTTI, E.; EPIFANIO, M. Aleitamento materno exclusivo e a escala de autoeficácia na amamentação. Revista Rede de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, v. 15, n. 5, p. 771-779, 2014. Disponível em:

<https://www.researchgate.net/publication/286852452_Exclusive_maternal_breastfeeding_and_the_Breastfeeding_Self-efficacy_Scale>. Acesso em: 04 ago 2019.

MARGOTTI, E.; MARGOTTI, W. Fatores relacionados ao Aleitamento Materno Exclusivo em bebês nascidos em hospital amigo da criança em uma capital do Norte brasileiro. Saúde debate | Rio de Janeiro, v. 41, n. 114, p. 860-871, Jul-set

MEDEIROS, A. M. C. et al. Acompanhamento fonoaudiólogo do aleitamento materno em recém-nascidos nas primeiras horas de vida. Audiol Commun Res. 2017.

MINAGAWA, A. T. et al. Perfil do aleitamento materno em menores de 2 anos na cidade de Itupeva, SP, Brasil. ALAN.[Internet]. 2005 ;55(2):132-9. Disponível em: http://www.scielo.org.ve/scielo.php?script=sci_arttex t&pid=S0004-

Acesso em: 26 ago 2019.

OLIVEIRA, M. G. O. A et al. Fatores associados ao aleitamento materno em dois municípios com baixo índice de desenvolvimento humano no Nordeste do Brasil. Rev Bras Epidemiol. [Internet].2013 16(1):178-89. Disponível em: http://

www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415- 790X2013000100178. Acesso em: 23 ago 2019.

RIGOTTI, R. R.; OLIVEIRA, M. I. C.; BOCCOLINI, C. S. Associação entre o uso de mamadeira e de chupeta e a ausência de amamentação no segundo semestre de vida. Ciênc Saúde Coletiva. [Internet]. 2015 [Acesso 9 set 2016];20(4):1235-44.

Disponível em http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000401235&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. ISSN 1413-8123. Acesso em: 20 ago 2019.

ROLLINS, N. C. et al. Why invest, and what it will take to improve breastfeedingpractices? Lancet. [Internet].2016 387:491–504. Available from: http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140- 6736(15)01044-2/abstract?showall=true Acesso em: 03 ago 2019.

SANTOS, Z. B. Benefícios do Aleitamento Materno Exclusivo para o Lactente e para a Nutriz até o Sexto Mês. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 07, Vol. 02, pp. 84-109, Julho de 2018.

SOUZA, S. N. D. H. et al. Prevalência de aleitamento materno e fatores associados no município de Londrina-PR. Acta Paulista Enfermagem, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 29-35, 2012. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n1/v25n1a06.pdf >. Acesso em: 28 jul 2019.

TEWABE, T. et al. Exclusive breastfeeding practice and associated factors among mothers in Motta town, East Gojjam zone, Amhara Regional State, Ethiopia, 2015: across-sectional study. International Breastfeeding Journal, Londres, v. 12, n. 12,

Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28261318>. Acesso em: 05 ago 2019.

TORYIAMA, Á. T. M. et al. Aleitamento materno: o que mudou após uma década?Rev. Latino-Am. Enfermagem 2017;25:e2941.

VICTORA, C. G. et al. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, and lifelong effect. Lancet. 2016.

Downloads

Publicado

20-12-2021

Como Citar

Andrade, E. M. de, Albuquerque, A. M. dos S. S., & Louback, H. da S. (2021). ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM NO ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA. Faculdade Sant’Ana Em Revista, 2(5), p. 204 - 219. Recuperado de https://iessa.edu.br/revista/index.php/fsr/article/view/1674