INCLUSÃO DO TEA (TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA) NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS:

LIMITES E POSSIBILIDADES

Autores

  • Roseneide Maria Batista Cirino Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR/Paranaguá
  • Leticia Izabela Ferreira Guimarães Godoi Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR/Paranaguá

Resumo

Nos últimos anos a temática sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA) vem crescendo gradativamente, despertando na sociedade o interesse sobre o assunto, bem como fazendo parte da realidade atual das escolas e com isso cresce a necessidade de aprofundarmos sobre o transtorno e a inclusão desses alunos. Com base nesse aspecto, por meio da pesquisa bibliográfica de forma qualitativa, buscou-se apresentar o conceito do TEA e suas características, como também a relação com a aprendizagem. O presente trabalho buscou compreender como se desenvolve a inclusão de aluno com TEA no Ensino Fundamental Anos Iniciais, para isso fez-se necessário discorrer sobre os conceitos de inclusão, educação escolar inclusiva, educação especial, leis e políticas públicas acerca do TEA e a formação do professor para o contexto inclusivo. O estudo constatou que a inclusão do aluno com TEA ocorre com pequenas ações em conjunto, ou seja, o papel do professor em sala de aula com uma formação continuada, as leis que asseguram direitos aos alunos, entre outras intervenções em conjunto as que primam pela inclusão.

Biografia do Autor

Roseneide Maria Batista Cirino, Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR/Paranaguá

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná, Especialização em Psicopedagogia, Orientação e Supervisão Escolar e Educação Especial Inclusiva.  Compõe o Banco de Avaliadores da Educação Superior INEP/ BASIs. Coordenadora do NESPI - Núcleo de Educação Especial Inclusiva. Coordena o Mestrado Profissional em Educação Inclusiva (Polo UNESPAR).

Leticia Izabela Ferreira Guimarães Godoi, Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR/Paranaguá

Professora da Educação Básica. Pós-graduanda em Educação Especial e Inclusiva.

Referências

AINSCOW, M; PORTER, G; & WANG, M. Caminhos para as escolas inclusivas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional (textos originais em inglês, apresentados em Salamanca, 1994).1997.

AMERICAN PSYCHIATRY ASSOCIATION (APA). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais - DSM-V. Porto Alegre: Artmed, 2014.

APORTA, A. P; LACERDA, C. B. F. Estudo de Caso sobre atividades Desenvolvidas para um Aluno com Autismo no Ensino Fundamental I. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v.24, n.1, p.45-58, Jan.-Mar., 2018.

ARMSTRONG, F; & BARTON, L. Besoins éducatifs particuliers et «inclusive education». In Brigitte Belmont et Aliette Vérillon Diversité et handicap à l’école. Quelles pratiques éducatives pour tous? Paris: Institut national de recherche pédagogique (INRP). 2003.

BELISÁRIO, J. J. F. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: transtornos globais do desenvolvimento. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial; Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 2016. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm> Acesso em:15/04/2020.

BRASIL. Lei nº. 7.611/11. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm> Acesso em: 15/04/2020.

BRASIL. Lei nº. 13.977/20. Altera a Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012 (Lei Berenice Piana), e a Lei nº 9.265, de 12 de fevereiro de 1996, para instituir a Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (Ciptea), e dá outras providências. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/lei/L13977.htm> Acesso em: 15/04/2020.

CAMARGO, S. P. H; BOSA, C. A. Competência social, inclusão escolar e autismo: um estudo de caso comparativo. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Vol 28 - n 3. 2012.

CAMARGO, Síglia Pimentel Höher et al. Desafios no processo de escolarização de crianças com autismo no contexto inclusivo: diretrizes para formação continuada na perspectiva dos professores. Educação em Revista [online]. 2020, v. 36, e214220. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/0102-4698214220>. Epub 10 Jul 2020. ISSN 1982-6621. https://doi.org/10.1590/0102-4698214220.

CAMISÃO, V; PAMPLONA, M; ADES, R. Acessibilidade & Educação Inclusiva. 2004. Disponível em:<http://www.acessibilidade.net/at/kit2004/Programas%20CD/ATs/cnotinfor/Relatorio_Inclusiva/pdf/Acessibilidade_extra_pt.pdf> . Acesso em: 28/09/2020.

CARVALHO, M. Guia prático do alfabetizador. São Paulo: Ática, 1998.

CÉSAR, M. A escola inclusiva enquanto espaço-tempo de diálogo de todos para todos. In: RODRIGUES, David (org.), Perspectivas sobre a inclusão. Da educação à sociedade. Porto: Porto Editora, 2003.

CORREIA, Luís M. Alunos com necessidades educativas especiais nas classes regulares de ensino. Porto: Porto Editora, 1997.

CUNHA, E. Autismo e inclusão: psicopedagogia e práticas educativas na escola e na família. 2.ed. Rio de Janeiro: Wak, 2010.

CUNHA, E. Autismo e inclusão: psicopedagogia e práticas educativas na escola e na família. 4 ed. Rio de Janeiro: Wak, 2012.

CUNHA, E. Autismo na escola: um jeito diferente de aprender, um jeito diferente de ensinar-ideias e práticas pedagógicas. 4° ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2016.

DECHICHI, C. Transformando o ambiente da sala de aula em um contexto promotor do desenvolvimento do aluno deficiente mental. Tese de Doutorado. USP, São Paulo, 2001.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Declaração Mundial de Educação para Todos e Plano de Ação para Satisfazer as Necessidades Básicas de Aprendizagem. Conferência Mundial sobre Educação para Necessidades Especiais, 1994, Salamanca (Espanha). Genebra: UNESCO, 1994.

DIAS, S. Asperger e sua síndrome em 1944 e na atualidade. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., São Paulo, 18(2), 307-313, jun. 2015.

FERREIRA, M. E. C; GUIMARÃES, M. Educação Inclusiva. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

GOMES, C.G; MENDES, E.G. Escolarização inclusiva de alunos com autismo na rede municipal de ensino de Belo Horizonte. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.16, n.3, p.375-396, 2010.

GUIJARRO, R. B. La atención a la diversidad em el aula y las adaptaciones del currículo.In: COLL, Cézar; ULLASTRES, Alvaro Marchesi; PALACIOS, Jesús. Desarrollo psicológico y educación: v. 3. Transtornos del desarrollo y necessidades educativas especiales. Madrid: Editorial Alianza Psicologia, 1995.

LOPES, M. T. V. Inclusão das crianças autistas. Escola Superior de Educação Almeida Garrett - Departamento de Ciências da Educação. Lisboa, 2011.

MANTOAN, M. T. E. Integração x Inclusão – Educação para todos. Pátio (Revista Pedagógica). Porto Alegre: Artmed, n.5, maio/jul. 1998ª.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar : o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MANTOAN, M. T. E. Igualdade e diferenças na escola: como andar no fio da navalha. In: MANTOAN, M.T.E & PRIETO, R.G, ARANTES, V. A (org). Inclusão escolar: Pontos e Contrapontos. São Paulo: Summus, 2006. Capítulo I, 15 – 29.

MARCHESI, Á. Educação inclusiva: um desafio na formação do professor. 2004.

MARTINS, G.A. & PINTO, R.L. Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos. São Paulo: Atlas, 2001.

MATTOS, L. K; & NUERNBERG, A. H. Reflexões sobre a inclusão escolar de uma criança com diagnóstico de autismo na educação infantil. Revista de Educação Especial, 24(39), 129-142, 2011.

MAZZOTA, M.J.S. Atendimento educacional aos portadores de deficiência. In: MAZZOTA, M.J.S. Educação Especial no Brasil: história e políticas públicas. 5. Ed. São Paulo: Cortez, 2005. P. 15-25.

MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 11, nº. 33, p. 387-405, dez. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v11n33/a02v1133.pdf> Acesso em: 23/04/2020.

MENEZES, A. R. S. Inclusão escolar de alunos com autismo: quem ensina e quem aprende? Dissertação de Mestrado. UERJ, 2012.

OLIVEIRA, A. M. B. C. de. Perturbação do espectro de autismo: a comunicação. Porto: Ed. Porto, 2009.

PRIETO, R. G. Atendimento escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação no Brasil. In: ARANTES, V. A. Inclusão escolar: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2006.

SANCHES, I; TEODORO, A. Da integração à inclusão escolar: cruzando perspectivas e conceitos. Revista Lusófona de Educação, 2006.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-crítica: primeiras aproximações. 5 ed. Campinas-SP: Autores Associados, 1995.

SCHMIDT, C. (Org.). Autismo, educação e transdisciplinaridade. Campinas: Papirus, 2013.

SCOTTO, A. A inclusão escolar na rede de ensino estadual. São Paulo, out, 2008. Disponível em:<http://www.crmariocovas.sp.gov.br/ent_a.php?t=004>. Acesso em: 23 abr 2020.

SMELTER, R. W; RASCH, B. W; & YUDEWITZ, G. J. Thinking of inclusion for all special needs students? Better think again. Phi Delta Kappan, 76(1), 35-38. 1994.

SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006.

STAINBACK, W; STAINBACK, S. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

TOGASHI, C. M; WALTER, C. C. de F. As Contribuições do Uso da Comunicação Alternativa no Processo de Inclusão Escolar de um Aluno com Transtorno do Espectro do Autismo. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 22, n. 3, p. 351-366, Jul.-Set., 2016.

VARELLA, D. Transtorno do Espectro Autista (TEA). Drauzio, 2018. Disponível em: <https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/transtorno-do-espectro-autista-tea/>. Acesso em: 16 abr 2020.

WHITMAN, T. L. O desenvolvimento do autismo: social cognitivo, linguístico, sensório-motor e perspectivas biológicas. São Paulo: M.Books do Brasil, 2015.

Downloads

Publicado

20-12-2021

Como Citar

Cirino, R. M. B. ., & Godoi, L. I. F. G. . (2021). INCLUSÃO DO TEA (TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA) NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS: : LIMITES E POSSIBILIDADES. Faculdade Sant’Ana Em Revista, 2(5), p. 6 - 27. Recuperado de https://iessa.edu.br/revista/index.php/fsr/article/view/2136

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)